Aborto é a principal causa de morte em todo o mundo pelo terceiro ano consecutivo

Em contraste, apenas 13 milhões de pessoas morreram de doenças transmissíveis, a segunda principal causa de morte no ano passado.

Fonte: Guiame, com informações do WorldometerAtualizado: quinta-feira, 6 de janeiro de 2022 17:49
Dados do Worldometer na véspera de Ano Novo de 2021. (Print da tela Worldometer)
Dados do Worldometer na véspera de Ano Novo de 2021. (Print da tela Worldometer)

Pelo segundo ano consecutivo, o aborto tem sido a principal causa de morte em todo o mundo, com mais de três vezes mais mulheres perdendo suas vidas devido ao aborto do que a segunda principal causa de morte.

Os números foram apontados pelo Worldometer, um banco de dados que rastreia estatísticas de saúde, população global e outras métricas em tempo real. Ele determina o número de abortos realizados no mundo com base em dados obtidos da Organização Mundial de Saúde.

O último dado em tempo real disponível, conforme apareceu na véspera de Ano Novo, capturado pela ferramenta de arquivo da Internet The Wayback Machine, revelou que aproximadamente 42,6 milhões de abortos foram realizados em todo o mundo em 2021.

Em contraste, apenas 13 milhões de pessoas morreram de doenças transmissíveis, a segunda principal causa de morte no ano passado. As outras principais causas de morte empalideceram em comparação com o aborto, com 8,2 milhões de pessoas morrendo de câncer em todo o mundo, quase 5 milhões de mortes causadas pelo fumo, aproximadamente 2,5 milhões de mortes relacionadas ao álcool, quase 1,7 milhão de pessoas sucumbindo ao HIV / AIDS, mais de 1,3 milhões de pessoas perdendo a vida em acidentes de trânsito e quase 1,1 milhão de suicídios em todo o mundo.

Além disso, doenças relacionadas com a água causaram aproximadamente 850.000 mortes, a gripe sazonal matou quase meio milhão de pessoas, quase 400.000 morreram por causa da malária e mais de 300.000 mães perderam a vida durante o parto no ano passado. Um conjunto separado de estatísticas de coronavírus também compiladas pelo Worldometer revelou que 3.524.139 pessoas morreram com complicações de Covid-19 em 2021.

Aproximadamente 58,7 milhões de pessoas morreram em 2021. Esse número não inclui aqueles que morreram de aborto. Se o aborto como causa de morte fosse incluído, o número de mortes no ano passado teria ultrapassado 100 milhões.

Principal causa de morte

2021 não é o primeiro ano em que o aborto foi a principal causa de morte em todo o mundo. Dados do Worldometer obtidos pela Wayback Machine na véspera de Ano Novo de 2020 revelaram que mais de 42,6 milhões de abortos foram realizados naquele ano. Mais uma vez, o número de abortos foi três vezes o número de pessoas que morreram de doenças transmissíveis.

Em 2019, o Worldometer descobriu que ocorreram 42,4 milhões de abortos. Na tarde de terça-feira, apenas quatro dias em 2022, mais de 400.000 abortos foram realizados em todo o mundo.

Além de ser a principal causa de morte em todo o mundo, o aborto também é a principal causa de morte nos Estados Unidos. O Guttmacher Institute, um grupo de defesa do aborto, relatou que 862.320 abortos foram realizados nos Estados Unidos em 2017.

Naquele mesmo ano, dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças descobriram que a principal causa de morte nos Estados Unidos, além do aborto, doenças cardíacas, matou 647.457 pessoas. O número total de mortes nos EUA em 2017, sem incluir abortos, foi de 2.813.503. A inclusão de abortos aumenta o número de mortes para quase 3,7 milhões.

Em 2019, o CDC relatou que 625.346 abortos foram realizados nos Estados Unidos. No entanto, essa estatística inclui apenas dados de 47 dos 50 estados e da cidade de Nova York. Além disso, o número de abortos relatados não inclui dados da Califórnia, o estado mais populoso do país.

Julgamento

Os dados mais recentes sobre o aborto aparecem no momento em que a questão emergiu na frente e no centro da política americana por causa da decisão da Suprema Corte dos EUA no caso Dobbs v. Jackson Women's Health.

No caso Dobbs, os juízes decidirão se a proibição do aborto de 15 semanas no Mississippi viola a Constituição dos Estados Unidos. Uma decisão a favor do estado do Mississippi, que está buscando manter a proibição, enfraqueceria significativamente o precedente estabelecido por Roe v. Wade, a decisão da Suprema Corte de 1973 determinando que as mulheres têm o direito ao aborto.

Além dos novos desenvolvimentos em torno do litígio em andamento sobre a lei do Mississippi, bem como uma lei do Texas que proíbe o aborto depois que o batimento cardíaco de um bebê pode ser detectado, geralmente por volta das seis semanas de gestação, uma infinidade de leis pró-vida aprovadas no estado nível em 2021.

O Instituto Guttmacher publicou vários relatórios expressando preocupação com a tendência pró-vida nos estados, concluindo com um relatório de final de ano descrevendo 2021 como “o pior ano para o direito ao aborto em quase meio século”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições