Ação pede que Gaviões se retrate por “desrespeito à religião cristã”

A Gaviões da Fiel está sendo processada por apresentar a figura de Jesus sendo derrotada pelo diabo no último desfile.

fonte: Guiame, com informações do Estadão

Atualizado: Sexta-feira, 8 Março de 2019 as 9:21

Comissão de frente da escola de samba Gaviões da Fiel, durante desfile no Sambódromo do Anhembi. (Foto: Levi Bianco/Brazil Photo Press/Folhapress)
Comissão de frente da escola de samba Gaviões da Fiel, durante desfile no Sambódromo do Anhembi. (Foto: Levi Bianco/Brazil Photo Press/Folhapress)

A Gaviões da Fiel está sendo processada por apresentar a figura de Jesus Cristo sendo vencida por satanás em seu último desfile no carnaval de São Paulo. A ação foi distribuída ao juízo da 26ª Vara Cível da Capital, informou o Estadão nesta quinta-feira (7).

O autor da ação, o advogado Carlos Alexandre Klomfahs, alega que a escola “desrespeitou o símbolo e a religião cristã”. Ele pede que a Gaviões da Fiel seja obrigada judicialmente à “imediata retratação pública à comunidade cristã de todo Brasil, sob pena de multa diária de 30 mil reais”.

Klomfahs requereu à Gaviões que se “retratasse em 24 horas sobre o tema do enredo escolhido para sua Escola que apresentou a figura cristã de maior relevo ao cristianismo — Jesus Cristo — sendo vencido e humilhado por satanás em nítido desrespeito ao sentimento religioso do autor e de milhões de brasileiros cristãos”. A escola não manifestou resposta.

Em seu desfile no último domingo (3), a escola ligada ao Corinthians fez uma releitura de um samba-enredo de 1994, ‘A Saliva do Santo e o Veneno da Serpente’, sobre a história do tabaco. No entanto, a encenação na qual o diabo aparentemente derrotava Jesus foi alvo de críticas nas redes sociais.

“A imoralidade surge quando se utiliza de uma figura religiosa, seja Cristã, do Islã, quer Maria, quer Jesus, seja Buda ou Zoroastro, e desfigura-lhe de seu papel de vencedor do bem sobre o mal e impõe-lhe o estigma de perdedor, exaltando a vitória do mal sobre o bem, isto é, tudo que há de pior na espécie humana é exaltada, festejada propondo adesão, forçoso é concluir que o resultado pretendido racionalmente é exatamente propagar o mal, violar o sentimento religioso e por isso ultrapassar os limites da liberdade de expressão”, argumenta o advogado.

Klomfahs retoma ainda um acórdão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2003 sobre a liberdade de expressão que, na ocasião, decidiu sobre livros nazistas e crime de anti-semitismo.

“Liberdade de expressão é uma garantia constitucional que não se tem como absoluta. Há limites morais e jurídicos. O direito à livre expressão não pode abrigar manifestações de conteúdo imoral que implicam ilicitude penal. As liberdades públicas não são incondicionais, por isso devem ser exercidas de maneira harmônica, observados os limites definidos pela própria constituição”, afirma o advogado, citando trecho da decisão escrita pelo então ministro Maurício Corrêa.

Após a repercussão, a escola publicou uma nota na qual justifica a encenação:

COM A PALAVRA, A GAVIÕES DA FIEL

“Diante do grande debate em relação à coreografia da Comissão de Frente, esclarecemos que:

Somos uma comunidade de mais de 115 mil sócios de diferentes religiões e que dentro e fora da nossa entidade, todos foram e serão sempre respeitados, sem distinção, discriminação e diferenciação por suas escolhas religiosas.

Levantaremos sempre a bandeira de que O BEM SEMPRE VENCERÁ O MAL. Apesar das cenas de entrada de Jesus serem dele numa posição inferior, as cenas que antecedem a sua sua saída na coreografia representa o seu poder para acabar com a guerra, deixar a paz e abençoar à todos.

E por último, apresentamos a explicação da apresentação da Comissão de Frente, a história que foi criada para compor o enredo, pois as poucas imagens da transmissão do desfile não auxiliaram na interpretação do público.

Comissão de Frente

A Saliva do Santo e o Veneno da Serpente

Conta a liturgia da fé cristã que Santo Antão – cristão fervoroso, eremita, pregador no deserto, vivia atormentado pelas tentações do Diabo, mas como pastor de fieis peregrinos mantinha sua fé inabalável. Com mensagens do Arcanjo Miguel, enviado por Deus, dedicou a vida a levar a mensagem de Cristo pelas áridas e desérticas paragens do Norte de sua África natal. Testado constantemente pelos soldados do mal, teria se deparado com uma serpente. Frágil, cansada, combalida… Caridosamente acolhida pelo religioso. O santo dela tratou, alimentou, amparou. Mas fora traído. Com o ímpeto de um gavião altivo e real, que não aceita traição, Santo Antão livrou-se da traiçoeira serpente e, com a luz dos anjos do bem, extraiu o seu veneno. Chupou a ferida em seu braço. Cuspiu no solo infértil e ali surgiu – de forma mágica e vigorosa – ramos de tabaco. Assim teria surgido o tabaco e prevalecia a fé em Jesus Cristo!”

veja também