Gaviões da Fiel apresenta enredo em que o 'diabo vence Jesus'

Com o título "A saliva do santo e o veneno da serpente", o enredo apresentou alusões a demônios e à 'derrota de Jesus'.

fonte: Guiame, com informações do G1

Atualizado: Domingo, 3 Março de 2019 as 11:58

Em seu enredo "A saliva do santo e o veneno da serpente", A Gaviões da Fiel encenou "Jesus sendo derrotado pelo diabo", o que gerou revolta nas redes sociais. (Imagem: Reprodução - Rede Globo)
Em seu enredo "A saliva do santo e o veneno da serpente", A Gaviões da Fiel encenou "Jesus sendo derrotado pelo diabo", o que gerou revolta nas redes sociais. (Imagem: Reprodução - Rede Globo)

A escola de samba da Gaviões da Fiel encerrou o segundo dia de apresentações dos desfiles do carnaval de São Paulo com uma apresentação que gerou revolta nas redes sociais.

Com o título "A saliva do santo e o veneno da serpente", o enredo apresentou alusões a demônios e teve até uma encenação na qual personagens representavam "o diabo derrotando Jesus".

Ao saber da apresentação, internautas repudiaram o conteúdo do enredo, apontando, sobretudo as cenas envolvendo Jesus e o diabo, como um desrespeito à fé cristã.

"Que afronta a Deus! Gálatas 6:7 de Deus não se zomba tudo o que o homem semear colherá!", comentou um internauta no Facebook.

"Essas pessoas estão cegas,que a misericórdia de Deus possam alcança las um dia. O meu Jesus vive e reina. Satanás não tem nem a chave da casa dele. Apocalipse 1.18: 'E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno", comentou outra internauta.

A psicóloga paranaense e cristã, Marisa Lobo condenou consistentemente o enredo da Gaviões e reforçou seu apoio ao fim das verbas públicas destinadas ao carnaval.

"O que a Gaviões da Fiel fez contra meu Salvador Jesus Cristo é um escárnio. Desejo que esses demônios sejam derrotados, essa escola de samba não imagina o mal que fez a si mesma e vai receber os frutos, pois amaldiçoou toda sua história, se deixando usar pelo demônio dessa forma vil . Não gosto de carnaval, e a #GaviõesdaFiel, me confirmou o porquê, tem gente que faz do carnaval a casa do diabo", afirmou.

"Tirando a parte espiritual do escárnio, das provocações, é raro encontrar uma escola que não use o carnaval para discriminar e ofender a fé Cristã e a nós cristãos, mas creio que dessa vez, passaram de todo limite, o ódio cegou todos os responsáveis e participantes. O mundo odeia aos cristão, nosso símbolo maior, a pessoa de Jesus foi terrivelmente ofendida, eu me sinto ofendida. Jesus não se importa com isso, mas nós sim, é nosso Deus e não podemos nos calar", acrescentou, finalizando sua publicação com a citação da passagem bíblica de Romanos 16:20: "Em breve o Deus da paz esmagará Satanás debaixo dos pés de vocês. A graça de nosso Senhor Jesus seja com vocês".

O deputado federal Roberto de Lucena também expressou o seu repúdio à apresentação, apontando que o conteúdo do enredo em nada condiz com liberdade de expressão, mas sim com desrespeito à fé cristã.

"Repudio veementemente o desrespeito e a afronta à fé de milhões de brasileiros pela escola de samba Gaviões da Fiel numa encenação, durante desfile no sambódromo,em que Jesus Cristo é humilhado e agredido por Satanás. Isso não é liberdade de expressão. É crime de vilipêndio. o artigo 208 do Código Penal. Abominável!", afirmou.

O parlamentar também adiantou que irá tomar as providências cabíveis, conforme a Constituição garante.

"Tomaremos providências! Não fariam isso com o profeta Maomé de jeito nenhum por motivos óbvios.  E não poderiam fazê-lo mesmo!!! Ninguém, sob nenhum pretexto, pode desrespeitar a fé nem a religião de ninguém!", destacou.

"A proposta era chocar"

Posteriormente ao desfile, o coreógrafo da Gaviões da Fiel, Edgar Junior confessou durante entrevista no estúdio da rede Globo que a intenção do enredo era "chocar" e dar à encenação — que originalmente traria Santo Antão e não Jesus Cristo — a simbologia de uma batalha entre Jesus e o diabo.

"O foco era esse mesmo, era chocar! Acho que a gente alcançou o nosso objetivo, que era mexer com essa polêmica de Jesus e o diabo, com a fé de cada um", afirmou.

Segundo o artigo 208 do Código Penal (Decreto Lei 2848/40), "Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso" é considerado crime, com pena prevista de "detenção, de um mês a um ano, ou multa".

 

 

 

veja também