Agências cristãs são obrigadas a fazer adoção de crianças para casais gays nos EUA

Agências cristãs que se recusarem a fazer adoção de crianças para casais gays perderão a ajuda que recebem do governo no Estado de Michigan.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 26 Março de 2019 as 11:41

Imagem ilustrativa de criança com lésbicas ao fundo. (Foto: Considering Adoption)
Imagem ilustrativa de criança com lésbicas ao fundo. (Foto: Considering Adoption)

Agências de adoção e assistência social em Michigan (EUA) que firmarem contrato com o Estado não podem mais se recusar a colocar crianças para serem adotadas por casais gays por razões religiosas, devido a um acordo legal oficializado na última sexta-feira (22), o qual alguns temem que irá prejudicar o trabalho das agências cristãs.

A procuradora-geral democrata Dana Nessel e os dois casais do mesmo sexo representados pela União Americana de Liberdades Civis chegaram a um acordo legal de que uma lei de 2015 que permite que agências de adoção baseadas na religião recusem serviços de adoção para casais homossexuais viola leis federais sobre discriminação.

O acordo resolveu uma queixa federal apresentada em 2017, depois que os casais foram recusados ​​pelas agências 'St. Vincent Catholic Charities' e 'Bethany Christian Services'.

"A discriminação na prestação de serviços de gerenciamento de casos de adoção e adoção é ilegal, não importa a razão", disse Nessel em um comunicado. "Limitar a oportunidade de uma criança ser adotada ou criada por um lar amoroso não só vai contra a meta do estado de encontrar um lar para todas as crianças, mas também configura uma violação direta do contrato que toda agência de colocação de crianças celebra com o Estado."

Sob sua disposição de não discriminação, as agências que buscam parcerias com o Estado não podem recusar a adoção para um casal ou indivíduo homossexual, que seja “adequado” para adotar uma criança.

Agências que violam tal provisão podem ter seus contratos rescindidos.

Um resumo do acordo afirma que quando uma adoção ou agência de adoção aceita a indicação de uma criança do Departamento de Saúde e Serviços Humanos de Michigan para adoção, sua proteção legal que garante seu direito de se recusar a agenciar adoções para casais do mesmo sexo com base em suas crenças religiosas profundamente arraigadas “não se aplica mais ao fornecimento desses serviços pela agência à criança ou indivíduo aceito”.

Em um resumo do acordo, foi alegado que “os programas financiados pelo Título IVE proíbem a discriminação com base na orientação sexual ou identidade de gênero”. Deve-se notar, no entanto, que a orientação sexual e a identidade de gênero não são classes protegidas na esfera civil federal de direitos e há uma pressão agora entre os democratas no Congresso para aprovar uma lei que tornaria essas classes protegidas.

A ACLU, um grupo de defesa da esquerda sem fins lucrativos, celebrou o acordo.

“Estamos empolgados porque o estado de Michigan se comprometeu em garantir que todas as agências que contrata para encontrar famílias para crianças sob custódia do Estado cumpram seus requisitos de não discriminação para que as crianças não percam famílias que possam cuidar delas”, disse Leslie Cooper, vice-diretora do Projeto ACLU LGBT & HIV, em um comunicado.

“Nossas crianças precisam de toda família que esteja disposta e seja capaz de proporcionar-lhes um lar amoroso. Quando as agências optam por aceitar dinheiro dos contribuintes para fornecer serviços públicos de bem-estar infantil, eles devem colocar as necessidades das crianças em primeiro lugar ”.

Risco à liberdade

Os críticos ao acordo temem que ele possa forçar as agências de adoção baseadas na fé a fecharem suas portas.

Lori Windham, conselheira sênior da firma de advocacia de liberdade religiosa sem fins lucrativos Becket, que está representando a St. Vincent Catholic Charities, argumenta que a procuradora Nessel e a ACLU estão trabalhando para "impedir que o Estado trabalhe com agências de adoção baseadas na fé".

“O resultado disso será trágico. Milhares de crianças serão impedidas de encontrar os lares amorosos que merecem ”, explicou Windham. “Este acordo viola a lei estadual que protege as agências de adoção religiosa. Isso prejudica crianças e famílias que esperam por lares permanentes e limita o acesso de casais que escolheram fazer parceria com essas agências".

veja também