Candidato à presidência dos EUA doou quase US$14 milhões para rede de clínicas de aborto

Michael Bloomberg doou 13.962.000 de dólares à gigante abortista Planned Parenthood.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 5 Dezembro de 2019 as 12:07

Michael Bloomberg é um bilionário que está se candidatando à presidência dos EUA. (Foto: Getty Images/Stephen Maturen/Stringer)
Michael Bloomberg é um bilionário que está se candidatando à presidência dos EUA. (Foto: Getty Images/Stephen Maturen/Stringer)

O novo candidato presidencial democrata Michael Bloomberg é bem conhecido por sua defesa dos direitos ao aborto, e um novo relatório diz que muitas vezes ele abre sua carteira para causas pró-aborto.

A organização sem fins lucrativos da Bloomberg, a Fundação 'Bloomberg Family', doou US$ 13.962.000 para a 'Planned Parenthood Federation of America' entre 2014-2017, de acordo com pesquisa da Newsbusters.

A Planned Parenthood é a principal provedora de abortos do país e também se envolveu em um escândalo de venda ilegal de fetos abortados. Em seu último relatório (2017-18), a organização disse que suas clínicas haviam realizado 332.757 abortos ao longo de 12 meses.

Michael Bloomberg, ex-prefeito da cidade de Nova York, tem um patrimônio líquido de US$ 56 bilhões.

Ele entrou na corrida presidencial em novembro e imediatamente saltou para o #top5 da média de pesquisas da 'Real Clear Politics', com 4% da corrida democrata em todo o país. Ele está em quinto lugar, atrás dos democratas Joe Biden, Bernie Sanders, Elizabeth Warren e Pete Buttigieg.

Não é a primeira vez que Bloomberg usa sua riqueza para apoiar o aborto legalizado. Em 2014, ele lançou um "programa de saúde reprodutiva" de US$ 50 milhões para ajudar as mulheres de países como Nicarágua, Burkina Faso, Senegal e Uganda "a tomar decisões de forma livre e segura sobre quando ter filhos", de acordo com um comunicado à imprensa. Ele também doou para a Emily's List, uma organização que apoia candidatas democratas pró-aborto.

"Para mim, é muito simples: o direito de uma mulher escolher é um direito americano fundamental - e é a lei da terra", disse ele em 2018 em um almoço da Emily's List.

Em uma de suas ações mais controversas, como prefeito da cidade de Nova York, Bloomberg endossou uma exigência de Manhattan que obrigava hospitais públicos a ensinar aos residentes como realizar abortos, segundo o New York Times. Bloomberg manteve a decisão durante seu discurso de 2018 na Emily's List.

"Quando fui eleito prefeito, uma das primeiras coisas que fizemos foi garantir que todos os hospitais da cidade ensinassem cuidados reprodutivos aos residentes, incluindo como realizar abortos com segurança - algo que fizemos em meio a muitas críticas", disse ele.

Bloomberg disse que seu governo também "aumentou o acesso à contracepção de emergência, o que nos ajudou a reduzir drasticamente a gravidez indesejada, principalmente entre as adolescentes".

"A saúde e a escolha das mulheres têm sido uma parte importante do foco da minha fundação", disse ele.

veja também