Conselho de Ética vota pela cassação do vereador do PT que invadiu igreja em Curitiba

Renato Freitas é acusado de perturbação da prática de culto religioso e de realizar ato político no interior da igreja.

Fonte: Guiame, com informações de G1 e Gazeta do PovoAtualizado: quarta-feira, 11 de maio de 2022 14:55
Renato Freitas é acusado de perturbação da prática de culto religioso. (Foto: Rodrigo Fonseca/Câmara Municipal de Curitiba).
Renato Freitas é acusado de perturbação da prática de culto religioso. (Foto: Rodrigo Fonseca/Câmara Municipal de Curitiba).

Na terça-feira (10), o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara de Vereadores de Curitiba votou pela cassação do mandato do vereador petista Renato Freitas, acusado de liderar uma invasão em uma igreja católica, em Curitiba. A defesa de Freitas afirmou que vai recorrer da decisão. 

A deliberação não significa a perda imediata do mandato. Agora, o processo disciplinar será encaminhado ao plenário da Câmara para a análise e votação dos 38 vereadores. 

O relator do caso, Sidnei Toaldo (Patriotas), votou a favor da cassação de Renato, afirmando que o vereador causou perturbação da prática de culto religioso e realizou ato político no interior da igreja, durante uma manifestação no dia 5 de fevereiro, em frente a Igreja do Rosário.

“Tenho que o Representado Vereador Renato Freitas abusou de sua prerrogativa na prática de ato incompatível com o decoro parlamentar”, concluiu.

Porém, Toaldo descartou outras duas acusações contra Freitas: de interrupção de ato religioso, argumentando que a missa já havia sido encerrada, e de entrada não autorizada no templo.

“Não há nenhuma evidência de que os manifestantes teriam sido impedidos de adentrar à igreja do Rosário e nem que, após adentrarem, teria sido solicitada a sua retirada do local”, afirmou o relator.

Entenda o caso

No dia 5 de fevereiro, um grupo de manifestantes liderado por Renato Freitas invadiu e interrompeu a missa na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, durante protesto pelo congolês Moïse Kabagambe, assassinado no Rio de Janeiro.

De acordo com o Padre Luiz Hass, de 74 anos, uma missa estava acontecendo quando os manifestantes invadiram a igreja. O sacerdote relatou que o grupo permaneceu por cerca de 20 minutos no templo, aos gritos.

“Uma situação insuportável, barulho muito grande, pedimos que baixassem o som lá fora, saíssem da escadaria. Mas começaram a dizer que era igreja dos negros. Suspendi a missa, porque não tinha como, não era horário para fazer o protesto”, afirmou.

Após a invasão, que ganhou repercussão nacional, Freitas se tornou alvo de pedidos de cassação do mandato na Câmara de Curitiba.

Caso levado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos

A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE) encaminhou o caso da invasão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIHM), que faz parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).

O documento pede que a Comissão investigue o incidente, com o objetivo de confirmar a violação da liberdade religiosa, e que solicite ao governo brasileiro a adoção de medidas para a preservação da liberdade religiosa no país.

“O ato conduzido pelo vereador e advogado Renato Freitas (PT) é apenas o mais recente exemplo de invasão a uma Igreja Cristã, provocada por forte carga ideológica. O crescimento desses casos de vilipêndio tem feito os fiéis temerem que grupos se sintam legitimados ou autorizados para cometer crimes contra o sentimento religioso, pela falta de uma devida responsabilização”, afirmou o Diretor Executivo da ANAJURE, Dr. Gabriel Dayan.




Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições