Em meio à crise, cresce o número de venezuelanos que se voltam para Deus

Mergulhado em crises políticas e humanitárias, um dos países menos religiosos da América Latina está se voltando para a fé.

fonte: Guiame, com informações do Telegraph

Atualizado: Segunda-feira, 15 Abril de 2019 as 3:20

Fé tem sido o caminho dos venezuelanos para suportarem a crise profunda do país. (Foto: Andrea Hernandez/The Washington Post)
Fé tem sido o caminho dos venezuelanos para suportarem a crise profunda do país. (Foto: Andrea Hernandez/The Washington Post)

Petare é a cidade da Venezuela onde está a maior favela da América Latina – é três vezes maior que a da Rocinha, no Brasil. Com os recorrentes apagões, as pessoas já se acostumaram a viver sem luz, mas algo novo começou a acontecer no lugar.

Em meio às vielas escuras, um som alegre surgiu entre as casas com teto de zinco, além de vozes que passaram a convidar todos para ouvir sobre a salvação. “Cristo sana y salva ...” (“Cristo cura e salva ...”), dia um grupo de 10 pessoas da igreja Restoring Hearts, que cantavam na escuridão convidando os demais para um culto.

A profunda e longa crise política e humanitária tem despertado a fé nas pessoas, em um dos países menos religiosos da América Latina. À medida que o impasse político entre Nicolás Maduro e o líder da oposição Juan Guaidó aumenta – aumeentando a escassez de eletricidade, alimentos e água e remédios – líderes de tradições religiosas relatam crescimento de fiéis em busca de conforto e respostas.

O pastor pentecostal Carlos Vielma relatada que viu o aumento de pessoas em sua congregação, em Caracas, explodir nos últimos 18 meses. São quase 3.000 participantes presentes em três cultos por semana. Ele diz que prega regularmente sobre discernimento para combater desinformação e propaganda.

“É impossível não falar sobre a situação no púlpito”, disse Vielma. “Estamos todos vivendo a mesma coisa. Estamos incentivando, capacitando e consolando as pessoas a passarem por processo”.

Igreja tem sido porta de socorro para venezuelanos. (Foto: Andrea Hernandez/The Washington Post)

Leidy Villegas diz que sua fé cristã a ajuda a confrontar a realidade. Ela conta que mal consegue comprar comida para sua família e não encontra água limpa todos os dias. Mas a ideia de que há algo maior e mais poderoso que a crise do seu país a conforta.

“Encontramos a felicidade por algumas horas e vamos para casa alegres”, disse a mãe de quatro filhos, de 34 anos. “Nós até esquecemos o apagão por um tempo”.

Leidy não coloca fé na política, mas se firma em Deus. “Nós sabemos que dias piores estão chegando, mas sempre encontramos refúgio na glória de Deus”, disse ela.

Fé crescente

Não há números de presença nacional nas diversas religiões. Mas líderes de todas as tradições religiosas dizem que viram multidões chegarem nos últimos meses. Vários estimaram um aumento de pelo menos 30%. Eles dizem que os recém-chegados tomaram o lugar dos milhões que deixaram o país.

David Smilde, um membro sênior do Escritório de Washington na América Latina (Wola), disse que o retorno à religião faz sentido.

“Não ter água, não saber se você tem algo para comer, esses são desafios existenciais”, disse ele. “É precisamente quando a religião começa a parecer interessante”.

Na igreja Restoring Hearts, em Petare, o reverendo Felix Uribe pastoreia uma pequena despensa de itens doados por fiéis: roupas surradas, cadeira de rodas, muletas, alguns frascos de remédios.

O ministro evangélico complementa esta loja modesta com versículos da Bíblia sobre as promessas de Deus para trazer resolução duradoura para a angústia terrena de seu país.

“Estes são os últimos dias”, disse ele. “A Bíblia está cheia de sofrimento e perda, mas há uma promessa. E isso é vida eterna. Tudo isso passará.”

Lady Villegas mantém uma promessa em particular: “Deus proverá”. Ela conta que a oito meses atrás estava grávida de seu quarto filho, mas as complicações exigiam um parto prematuro e arriscado. Com a escassez de suprimentos os médicos disseram que ela precisava comprar os materiais, mas ela não tinha dinheiro.

Ela conta que começou a chorar. Sua fé quis diminuir. “Mas então ela começou a orar e, em poucos minutos, alguém doou o que ela precisava”.

Folheando as páginas amareladas da Bíblia, apontou para o Salmo 91 e disse: “Aqui Deus me promete que estará comigo em tempos de angústia”.

veja também