Evangélicos bolivianos se inspiram em brasileiros para eleger presidente conservador

Eleição de Bolsonaro dá esperança para cristãos na Bolívia, cuja parcela da população protestante subiu de 7,6% em 1985 para 17% hoje.

fonte: Guiame, com informações do Religion News

Atualizado: Terça-feira, 30 Julho de 2019 as 4:37

Manifestante com uma réplica gigante da constituição da Bolívia, embrulhada com uma fita preta de luto, em La Paz, Bolívia, em 2017. (Foto: Juan Karita/AP)
Manifestante com uma réplica gigante da constituição da Bolívia, embrulhada com uma fita preta de luto, em La Paz, Bolívia, em 2017. (Foto: Juan Karita/AP)

A Bolívia está passando por algumas transformações sociais, e uma das mais importantes vêm da luta que os cristãos têm feito pela liberdade religiosa e de culto, direitos que foram tirados no texto constitucional de 2009, tornando a Bolívia um país secular.

A Constituição boliviana de 2009 foi promulgada pela administração de seu primeiro líder indígena, o presidente Evo Morales, deixou qualquer menção à fé histórica de seus colonizadores espanhóis, reforçando a posição de suas religiões pré-coloniais.

Um avanço houve neste ano, quando o presidente aprovou em abril a Lei de Liberdade Religiosa, Organizações Religiosas e Crenças Espirituais, que concede aos evangélicos os mesmos direitos que os católicos têm.

No entanto, os cristãos evangélicos bolivianos querem mais, e não querem seer submissos ao Estado.

Em seus crescentes números e confiança, os cristãos conservadores da Bolívia estão seguindo um padrão estabelecido no Brasil, onde os evangélicos teriam desempenhado um papel importante na eleição do presidente de direita Jair Bolsonaro no ano passado, diz a Religion News Service.

Na Bolívia, onde as eleições gerais estão agendadas para outubro, Morales se opõe em sua busca pelo quarto mandato de Víctor Hugo Cárdenas, cujo vice, Humberto Peinado, é pastor da Igreja da Família Cristã em Santa Cruz.

Em recente entrevista a um jornal local, Página Siete, Peinado afirmou que o mundo está passando por uma “Primavera Cristã” e que os evangélicos estão ajudando a derrubar “socialistas populistas” em todo lugar, do Brasil até os Estados Unidos.

Inspiração para a América Latina

Diante da promessa do presidente Jair Bolsonaro em transferir a embaixada brasileira em Israel de Tev Aviv para Jerusalém, o apóstolo Francisco Nicolau, da Igreja Batista das Nações, disse em entrevista ao Guiame ter expectativas sobre o futuro do Brasil.

Nicolau acredita que o pioneirismo do Brasil em relação a Israel pode influenciar outros países latino-americanos. “Eu creio que a América Latina está olhando qual vai ser a posição do Brasil, até por causa de toda a situação da América Latina. O Brasil, mais uma vez, vai poder ser modelo nesse quesito”.

Outro líder que falou sobre a inspiração que o Brasil traria à AL foi o pastor americano John Hagee, pastor sênior da Cornerstone Church e fundador da organização Cristãos Unidos por Israel.

Hagee incentivou os pastores brasileiros a apoiarem Israel de forma prática e apontou Israel como um fator de unidade entre os cristãos. O apoio a Israel pode “trazer bênçãos sobrenaturais, unidade espiritual e prosperidade para o Brasil”. Ele também disse que o “Brasil tem a chave para a América do Sul”.

Mobilização

Irritados quando a Carta de 2009 fracassou em reconhecê-los, as denominações protestantes passaram a última década mobilizando seu crescente número de seguidores, finalmente forçando uma lei de liberdade religiosa que codifica seu status fiscal e, talvez mais importante, dando-lhes posição na sociedade boliviana.

“Pela primeira vez, as entidades religiosas têm uma identidade legal, com direitos de autodeterminação e independência do Estado”, disse Munir Chiquie, presidente da Associação Nacional de Evangélicos da Bolívia, também conhecida como ANDEB.

O ponto de inflexão da longa campanha de reconhecimento dos evangélicos veio em dezembro de 2017, quando o governo de Morales substituiu o código penal escrito sob o presidente ditatorial da Bolívia, o ex-general Hugo Banzer, que também é considerado pastoreador do país em direção à democracia. 1980s.

Os cristãos evangélicos, liderados pelo ANDEB, protestaram contra uma provisão do novo código penal, Artigo 88, visando combater o terrorismo e o tráfico, que estabeleceu uma sentença de 12 anos de prisão para quem “capturar, transportar, transferir, privar de liberdade, receber ou anfitriões ”com o propósito de recrutá-los para“ participação em conflitos armados ou em organizações religiosas ou cultuais ”.

Os cristãos alegaram que a linguagem do Artigo 88 era tão expansiva e vagamente escrita que poderia resultar na perseguição de líderes religiosos por evangelizar. O artigo provocou críticas em toda a América do Sul, e os evangélicos despertaram temores de que isso resultaria na criminalização da pregação em público. O ANDEB organizou um dia nacional de jejum e oração em protesto.

O presidente Morales negou que a medida tenha a intenção de aniquilar a evangelização, mas, dentro de dois meses depois de promulgar o novo código, ele decidiu revogá-lo. "Ficou claro depois que o artigo havia sido mal escrito e sua real intenção não era nos criminalizar", disse Chiquie. "Mas nós protestamos, e a lei - que tinha outros problemas importantes - foi suspensa."

Esta vitória intermediária levou os evangélicos a pressionar por mudanças adicionais. Eles reviveram suas críticas à Constituição de 2009, que sentiram as crenças tradicionais andinas privilegiadas que antecederam o império inca e se opuseram fortemente a novos projetos de lei relativos à sexualidade e ao gênero.

Em 2017, um artigo da lei de identidade de gênero que permitia o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi declarado inválido pelo Tribunal Constitucional da Bolívia.

"Outra ameaça à liberdade religiosa foi colocada pelo surgimento de temas como a ideologia de gênero", disse Chiquie. "Alguns segmentos da sociedade estavam propondo restrições ao direito dos evangélicos de discordarem deles." Também se tornou gradualmente mais difícil para os líderes evangélicos expressarem suas opiniões nas escolas e na mídia, disse ele.

Submissão ao estado

O rascunho que se tornou o ato de liberdade religiosa estava circulando desde alguns anos depois que a nova constituição entrou em vigor, mas foi interrompida até cerca de cinco anos atrás, quando o governo de Morales assumiu o projeto. As conversações avançaram lentamente até que o desastre do Artigo 88 turbocomprasse as negociações entre funcionários do governo e organizações cristãs.

A nova lei, que Morales assinou em abril, impõe regulamentações a organizações religiosas, incluindo a exigência de relatar suas atividades ao governo anualmente, mas, em contrapartida, nenhum imposto é cobrado sobre elas. E o próprio fato de ser monitorado lhes dá legitimidade aos olhos do governo que as igrejas protestantes nunca desfrutaram.

Julio Córdova, um sociólogo que estudou os evangélicos da Bolívia, disse que a verdadeira vitória da lei é a visibilidade que ela concede.

Córdova também acredita que a legislação é em grande parte simbólica. “De uma perspectiva estritamente legal, essa lei não é tão importante. Estabelece os procedimentos administrativos para registrar as entidades religiosas e não muito mais que isso ”, afirmou.

Mas Córdova e outros especialistas disseram que o processo de aprovar a lei em si marca um ponto de virada para as denominações cristãs que historicamente tendem a manter distância da política.

Sua busca por um papel mais amplo nos assuntos do país veio como a parcela da população na Bolívia que é protestante aumentou de 7,6% em 1985 para 17% hoje.

De fato, alguns cristãos evangélicos estão pressionando por um maior reconhecimento. Já existe uma campanha contra a nova lei de liberdade religiosa, promovida por cristãos conservadores, alegando que ela força as igrejas a se submeterem ao estado.

veja também