Historiador explica por que a Austrália é "uma das nações mais cristianizadas do mundo"

A razão por trás dessa disseminação da “cultura de Jesus” na Austrália, segundo Stuart Piggin, é o movimento cristão evangélico.

fonte: Guiame, com informações do Eternity News

Atualizado: Segunda-feira, 2 Dezembro de 2019 as 4:25

Igreja Hillsong, em Sydney, Austrália. (Foto:  Reprodução/Eternity News)
Igreja Hillsong, em Sydney, Austrália. (Foto: Reprodução/Eternity News)

A Austrália é provavelmente “uma das nações mais cristianizadas do mundo”, diz o premiado historiador e escritor Stuart Piggin.

Ele explica que “Jesus é o grande herói da história australiana. Ele teve mais influência na Austrália do que qualquer outra pessoa em termos de valores cristãos como humildade, compaixão, esperança - essas são as coisas que realmente dão aos australianos uma atitude positiva em relação à vida, em vez de uma atitude negativa.”

A razão por trás dessa disseminação da “cultura de Jesus” na Austrália, segundo Piggin, é o movimento cristão evangélico.

Piggin está bem qualificado para fazer declarações ousadas, tendo passado 30 anos estudando história religiosa na Austrália como diretor do Centro de História do Pensamento e Experiência Cristãos da Universidade Macquarie (2005-16) e chefe do Departamento de Pensamento Cristão da Colégio Australiano de Teologia.

Este ano, ele ganhou o prêmio na categoria Livro Cristão Australiano do Ano por sua obra “A Fonte da Prosperidade Pública: Cristãos Evangélicos na História Australiana 1740-1914”, em coautoria com Robert Linder. O segundo volume deste livro acaba de ser lançado: “Atendendo à Alma Nacional: Cristãos Evangélicos na História Australiana 1914-2014”.

Não foi até Piggin começar a pesquisar o movimento evangélico da Austrália como um todo que ele fez a "descoberta notável" de quão profundamente as raízes do evangelicalismo estão na cultura australiana.

Essas descobertas dissiparam muitos mitos e estereótipos de longa data e descobriram o papel que os cristãos tiveram na formação de nossa verdadeira identidade cultural - um fato ignorado por escritores religiosos históricos predominantemente não cristãos.

O historiador e escritor Stuart Piggin. (Foto: Reprodução/Eternity News)

Um desses estereótipos é que o personagem australiano por excelência - mais frequentemente personificado em soldados australianos - é um larrikin antirreligioso.

"Meu coautor, Bob Linder, estava particularmente preocupado em corrigir esse problema porque descobriu que os soldados australianos estavam muito preocupados com questões espirituais e religiosas, como a maioria das pessoas quando enfrentam a morte", disse Piggin em uma entrevista recente no podcast da Eternity With All, Due Respect, apresentado por Michael Jensen e Megan Powell du Toit.

“Outro estereótipo relacionado à espiritualidade é que os australianos, ao contrário dos americanos, nunca testemunharam avivamento. Descobri que em 1902 houve um notável renascimento na mina de carvão de Mount Kembla e nas comunidades mineiras de Illawarra [NSW]”, contou Piggin.

“E desde então eu descobri que houve um grande reavivamento em Melbourne em 1902 e parece que a Austrália estava bem perto de ter um despertar geral em 1902, assim como aconteceu com Billy Graham em 1959. Portanto, os australianos não foram impermeáveis para coisas espirituais”, explica Piggin.

"De fato, quando Billy Graham esteve aqui em 1959, ele disse que nunca havia experimentado fome espiritual como na Austrália”, lembra Piggin.

Raiz cultural

Os livros de Piggin pintam uma imagem da vitalidade do movimento evangélico que conseguiu explorar a consciência cultural da Austrália.

“Era uma religião pessoal intensa e vital. No final do século 18, o cristianismo evangélico havia se tornado uma religião pública. Estava influenciando a esfera pública...”, diz.

“É principalmente um movimento leigo e, portanto, o lado público é muito importante. Está preocupado com preocupações leigas como educação, saúde, política e sindicatos, todo esse tipo de coisa. Os evangélicos estão tão envolvidos nessas coisas”, explica o autor.

No segundo volume de seu livro, ele mostra como os evangélicos também estiveram na vanguarda das questões sociais modernas, como o multiculturalismo e a reconciliação indígena.

Piggin explica os principais ingredientes desse movimento não-denominacional que o tornou tão influente.

“Evangelicalismo é uma coalizão de experiencialistas bíblicos. Todas essas palavras são muito importantes - como coalizão, você tem grupos que enfatizam coisas diferentes.

“Assim, por exemplo, os batistas e os congregacionalistas enfatizam a dissidência. Eles eram a consciência não-conformista na Grã-Bretanha e na Austrália. A dissidência é um ingrediente muito importante porque, a partir disso, você obtém a voz profética, a possibilidade de mudança”, afirma.

"No entanto, isso não é forte no componente evangélico anglicano. O que eles contribuem é uma defesa da fé. Assim, nos experiencialistas bíblicos, eles enfatizam a importância do bíblico”, diz.

Experiência do Espírito

“O experiencialismo vem do lado metodista das coisas. E é aí que os pentecostais chegam, porque os pentecostais são os herdeiros desse compromisso metodista com a experiência do Espírito - essa vitalidade, essencial ao cristianismo evangélico”, informa.

“Se você perder algum desses elementos, [o evangelicalismo] fica descontrolado e as coisas começam a dar errado. E isso aconteceu várias vezes na Austrália", diz Piggin.

Embora o caminho para a construção de uma nação cristianizada nem sempre tenha sido fácil para os evangélicos australianos, Piggin identifica mais duas características únicas que ajudaram a levar o movimento até os dias atuais: autenticidade e coragem.

“Na Austrália, os evangélicos não são uma porcentagem tão grande da população quanto na América (embora sejam uma porcentagem maior que na Grã-Bretanha). Mas o evangelicalismo australiano é genuíno. Eu acho que você ainda pode ser um tipo espírita de evangélico na América sem ser particularmente autêntico. Mas na Austrália hoje em dia, se você se preocupa em ser evangélico, provavelmente é o verdadeiro - existe uma genuinidade”, diz.

“Evangelicalismo tem tudo a ver com antinominalismo. É tudo sobre tornar as pessoas mais cristãs - esse é o seu compromisso, tornar a nação mais cristã”, reflete Piggin.

veja também