Irã libera mais de 70 mil presos, mas mantém cristãos na prisão

Por causa do surto de coronavírus no Irã, o governo decidiu liberar temporariamente cerca de 85.000 prisioneiros. A maioria dos cristãos teve sua liberdade negada.

fonte: Guiame, com informações da Reuters

Atualizado: Terça-feira, 17 Março de 2020 as 1:36

Membro da Guarda de Fronteira Iraniana usa máscara protetora, após surto do coronavírus no país. (Foto: Reuters/Essam Al-Sudani)
Membro da Guarda de Fronteira Iraniana usa máscara protetora, após surto do coronavírus no país. (Foto: Reuters/Essam Al-Sudani)

O Irã libertou temporariamente cerca de 85.000 prisioneiros, inclusive presos políticos, em resposta à epidemia do coronavírus, informou um porta-voz do Judiciário nesta terça-feira (17).

A pandemia provocou a morte de 853 pessoas e um total de 14.991 infectados no Irã, considerado um dos piores surtos fora da China.

“Cerca de 50% deles eram prisioneiros relacionados à segurança”, disse disse Gholamhossein Esmaili. Ele não deu detalhes sobre quando os libertados teriam que voltar para a prisão.

De acordo com a organização Article18, seis cristãos estão entre os presos libertados. No entanto, pelo menos 11 cristãos que cumprem sentenças relacionadas à “segurança nacional” permanecerão presos. 

A ativista cristã Mary Fatemeh Mohammadi está entre as detentas que receberam licença temporária da prisão feminina de Qarchak. Na prisão, ela foi tão severamente torturada e espancada que os machucados continuam visíveis em seu corpo três semanas depois. 

O Irã  havia anunciado a libertação de 70.000 prisioneiros em 9 de março em resposta ao vírus, mas nenhum deles era preso político.

O relator especial da ONU para os direitos humanos no Irã, Javaid Rehman, disse que havia pedido a Teerã que libertasse temporariamente todos os presos políticos de suas prisões superlotadas e cheias de doenças para ajudar a conter a propagação do coronavírus.

Os Estados Unidos pediram ao Irã que libertasse dezenas de cidadãos e estrangeiros detidos principalmente por acusações de espionagem, dizendo que Washington responsabilizaria diretamente o governo de Teerã por qualquer morte americana.

Autoridades do Irã culpam as sanções americanas pela dificuldade em conter o coronavírus no Irã. As sanções foram reimpostas a Teerã desde que Washington deixou o acordo nuclear em 2015.

veja também