Jovem fala como se libertar da pornografia: “Se volte para Deus e conte para alguém”

Gracelyn Sorrell entrou no mundo virtual da pornografia aos 14 anos, mas conseguiu se libertar através de sua fé em Deus e a ajuda de sua mãe.

fonte: Guiame, com informações da Fox News

Atualizado: Quarta-feira, 20 Março de 2019 as 4:57

Hoje Gracelyn Sorrell viaja pelos Estados Unidos compartilhando sua experiência. (Foto: SWNS)
Hoje Gracelyn Sorrell viaja pelos Estados Unidos compartilhando sua experiência. (Foto: SWNS)

Uma adolescente que chegava a assistir vídeos pornográficos por até quatro horas por dia hoje está se guardando para o casamento, após ter a ajuda de Deus para deixar o vício. Gracelyn Sorrell, 19 anos, tinha 14 anos quando uma imagem explícita nas mídias sociais a levou a se aprofundar ainda mais neste tipo de conteúdo.

Gracelyn, de Chicago (EUA), acessava secretamente a pornografia em seu celular e costumava ficar acordada até as 3 da manhã, vasculhando sites e aplicativos. Dormindo apenas três horas por noite, suas notas despencaram na escola.

“Quando assistia aos vídeos, isso me dava uma descarga de adrenalina. Era como uma insulina para mim, eu precisava disso. Eu estava encontrando um lugar para a minha alma, mas era um espaço impuro. A pornografia e a masturbação nunca estavam satisfeitas. Sempre foi uma perseguição. Era desumano. Eu sentia culpa e vergonha depois”, ela contou à Fox News.

“Eu perdi meu foco nos trabalhos da escola porque meu vício estava sempre em minha mente”, revelou. “Cresci em uma casa cristã. Eu basicamente estive na igreja toda a minha vida. Eu senti que eu estava levando uma vida dupla porque eu era uma garota cristã na escola, mas secretamente eu estava viciada nessa droga do pecado”.

Em agosto de 2016, ela finalmente confiou seu segredo à sua mãe, Karen, que incentivou a filha a encontrar cura em Deus. Depois disso, Gracelyn começou a expressar seus sentimentos a Deus através de um diário e excluiu de seu celular aplicativos que poderiam abalar seu autocontrole.

“Minha mãe foi tão compreensiva e ela me disse que tínhamos que orar sobre isso”, disse Gracelyn. “A partir daquele momento comecei a escrever no diário. Me obriguei a ter autocontrole. Parei de levar meu celular para a cama e tomei precauções extras, como excluir os aplicativos e o YouTube”.

Gracelyn observa que para um viciado em pornografia, um simples vídeo pode se tornar impulso para assistir o conteúdo adulto. “Mas eu dediquei esses impulsos aos meus diários e à adoração. Eu não tive aconselhamento profissional, mas minha mãe tem muita experiência e está espiritualmente em sintonia com Deus”.

Transparência

Hoje Gracelyn viaja pelos Estados Unidos compartilhando sua experiência. Ela também é defensora do sexo após o casamento e fez um voto de não beijar antes de subir no altar.

“Eu tive recaídas. Não muitas, mas tive momentos em que simplesmente não pude lutar contra isso. Algumas noites na cama eu chorava e sentia pena por ter fracassado novamente. Mas sempre que eu recaía, eu confidenciava à minha mãe. Ela nunca me julgava”, contou.

“Eu senti que a transparência me ajudou a voltar aos trilhos”, disse Gracelyn, que não teve recaídas desde 2016 e está se guardando para viver um relacionamento de acordo com os padrões bíblicos. “Eu sempre digo que foi minha impureza que me fez pura”

Ela tem conselhos práticos para quem está passando pela mesma situação: “Continue tentando e se volte para Deus. Confie em alguém próximo a você para contar o que está acontecendo. Seja transparente e encontre um lugar seguro onde você possa falar sem julgamento. Saia do seu quarto e verbalize isso”.

veja também