Mais de 180 empresas americanas afirmam que proibição ao aborto é "ruim para os negócios"

Ativistas pró-vida discordam da afirmação publicada no The New York Times.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 13 Junho de 2019 as 12:32

Manifestante segura modelo de um embrião de 12 semanas em uma manifestação contra o aborto em Belfast. (Foto: Reprodução/Reuters)
Manifestante segura modelo de um embrião de 12 semanas em uma manifestação contra o aborto em Belfast. (Foto: Reprodução/Reuters)

Empresas americanas renomadas formam uma espécie de “associação” que reúne mais de 180 companhias que assinaram uma carta aberta dizendo que a proibição ao aborto é "ruim para os negócios".

Entre as empresas está a gigante rede social Twitter, que endossou a afirmação por meio da assinatura do CEO Jack Dorsey.

A carta intitulada "Não proíba a igualdade" e publicada pelo jornal americano The New York Times na segunda-feira (10) diz que as restrições ao aborto ameaçam a saúde dos funcionários.

O texto afirma que é "hora de as empresas defenderem os cuidados de saúde reprodutiva".

"Restringir o acesso a cuidados reprodutivos abrangentes, incluindo o aborto, ameaça a saúde, independência e estabilidade econômica de nossos funcionários e clientes", diz a carta.

"Simplesmente, isso vai contra nossos valores e é ruim para os negócios."

E acrescenta: "O futuro da igualdade de gênero está em risco, colocando em risco nossas famílias, comunidades, negócios e a economia".

A carta segue os movimentos no Alabama, Missouri e Geórgia para proibir abortos, a menos que haja sério risco para a saúde da mãe.

Mas os pró-vida criticaram as empresas por terem ficado do lado do aborto.

A Action League Pró-Vida escreveu no Twitter: "Você sabe o que é realmente ruim para os negócios? Literalmente matar pessoas. Primeiro vem o suicídio moral, seguido pelo suicídio intelectual e depois o suicídio econômico".

A presidente da March for Life, Jeanne Mancini, questionou: "Como proteger a dignidade inerente da pessoa humana desde o momento da concepção é ruim para os negócios?"

"Talvez a melhor pergunta seja qual é o 'valor' da vida humana para esses líderes empresariais?", continuou.

Lila Rose, fundadora e presidente da Live Action, disse que não é "saúde" acabar com a vida de bebês em gestação.

"Então é melhor para os negócios matar as futuras gerações de clientes? Matar uma criança no útero não é, nunca foi e nunca será, 'saúde'", disse ela.

O senador republicano Marco Rubio acusou os negócios de duplo padrão.

"170 CEOs assinam uma carta chamando o aborto de 'direito humano' e condenando leis aprovadas por legislaturas democraticamente eleitas dos EUA", disse.

"Ironicamente, eles não têm problema em fazer negócios com direitos humanos em série violando autoritários em todo o mundo”, concluiu.

veja também