Médicos afirmam que coronavírus está perdendo seu poder letal na Itália

Diretores de dois hospitais na Itália apontaram que o coronavírus perdeu significativamente seu poder de letalidade e criticaram 'alarmistas'.

fonte: Guiame, com informações da Reuters

Atualizado: Segunda-feira, 1 Junho de 2020 as 9:51

Dois renomados diretores de hospitais italianos relataram que o coronavírus está cada vez menos letal. (Foto: Jane Barlow - WPA Pool/Getty Images)
Dois renomados diretores de hospitais italianos relataram que o coronavírus está cada vez menos letal. (Foto: Jane Barlow - WPA Pool/Getty Images)

O novo coronavírus está perdendo sua potência e se tornou muito menos letal, disseram dois renomados médicos italianos no último domingo (31).

"Na realidade, o vírus clinicamente não existe mais na Itália", disse Alberto Zangrillo, chefe do Hospital San Raffaele em Milão, na região norte da Lombardia, que sofreu amplamente o impacto do contágio do coronavírus na Itália.

"Os [exames com] zaragatoas realizados nos últimos 10 dias mostraram uma carga viral em termos quantitativos absolutamente ínfimos em comparação com as realizadas há um ou dois meses", disse ele à emissora italiana RAI.

A Itália tem o terceiro maior número de mortos no mundo por causa da COVID-19, com 33.415 mortes registradas, desde que o surto veio à tona no país, em 21 de fevereiro. Também está em sexto lugar com seu registro de 233.019 casos de infecção.

No entanto, os índices de novas infecções e fatalidades caíram constantemente em maio e o país está se libertando de algumas das mais rígidas restrições de bloqueio introduzidas em qualquer lugar do continente.

Zangrillo disse que alguns especialistas são muito alarmistas quanto à perspectiva de uma segunda onda de infecções e que os políticos precisam levar em conta a nova realidade.

"Temos que voltar a ser um país normal", disse ele. "Alguém tem que assumir a responsabilidade por aterrorizar o país".

O governo pediu cautela, dizendo que era muito cedo para cantar vitória sobre a pandemia.

"Há evidências científicas pendentes para apoiar a tese de que o vírus desapareceu ... eu convidaria aqueles que dizem que têm certeza disso para não confundir os italianos", disse Sandra Zampa, subsecretária do Ministério da Saúde, em comunicado.

"Em vez disso, devemos convidar os italianos a manter a máxima cautela, manter o distanciamento físico, evitar grandes grupos, lavar frequentemente as mãos e usar máscaras", acrescentou.

Porém um segundo médico do norte da Itália disse à agência nacional de notícias ANSA que também estava vendo o coronavírus enfraquecer.

"A força que o vírus tinha há dois meses não é a mesma força que tem hoje", disse Matteo Bassetti, chefe da clínica de doenças infecciosas do hospital San Martino, na cidade de Gênova. "Está claro que hoje a COVID-19 é diferente".

veja também