Muçulmanos pedem a morte de juízes que decidiram pela liberdade de Asia Bibi

Líderes de um partido islâmico pediram a morte dos juízes que absolveram a paquistanesa cristã.

fonte: Guiame, com informações da Reuters

Atualizado: Quinta-feira, 1 Novembro de 2018 as 4:34

Os defensores do partido político islâmico Tehrik-e-Labaik protestam contra a libertação de Asia Bibi, em Peshawar. (Foto: Reuters/Fayaz Aziz)
Os defensores do partido político islâmico Tehrik-e-Labaik protestam contra a libertação de Asia Bibi, em Peshawar. (Foto: Reuters/Fayaz Aziz)

A decisão da Suprema Corte do Paquistão nesta quarta-feira (31) de libertar Asia Bibi, uma mulher cristã que havia sido condenada por blasfêmia contra o Islã, provocou protestos e ameaças de morte de políticos muçulmanos.

Asia Bibi, mãe de quatro filhos, estava no corredor da morte desde 2010, quando se tornou a primeira mulher a ser sentenciada à morte por enforcamento sob as leis de blasfêmia do Paquistão, considerada pelos críticos muito duras e mal utilizadas.

Ela foi condenada após suas vizinhas alegarem que ela insultou o Islã, depois que se negaram a compartilhar o copo de água com ela. Bibi sempre negou cometer blasfêmia.

O caso tem comovido cristãos em todo o mundo e provocado uma intensa divisão dentro do Paquistão, onde dois políticos que se envolveram na defesa de Bibi foram assassinados.

O chefe de Justiça, Saqib Nisar, que liderou uma comissão especial com três juízes, citou o Alcorão em sua decisão, afirmando que “a tolerância é o princípio básico do Islã” e notando que a religião condena a injustiça e a opressão.

Bibi não apareceu no tribunal e seu paradeiro está sendo mantido em segredo, por medo de ataques contra ela e sua família. Muitos especularam que eles serão forçados a deixar o país, mas não houve confirmação de seus planos.

O advogado da cristã considerou a decisão da Corte uma “grande notícia” para o Paquistão. “A justiça finalmente foi cumprida para Asia Bibi”, disse o advogado Saiful Mulook à Reuters. “O Supremo Tribunal do Paquistão deve ser estimado por manter a lei da terra e não sucumbir a nenhuma pressão”.

Ameaças de morte

Os defensores do partido político islâmico Tehreek-e-Labaik (TLP) imediatamente condenaram a decisão de quarta-feira e bloquearam as estradas nas principais cidades, como Islamabad e Lahore.

Um dos principais líderes do TLP pediu a morte de Nisar, o chefe da Justiça e outros dois juízes.

“Todos os três merecem ser mortos. Ou a segurança deles deve matá-los, o motorista deve matá-los ou o cozinheiro deve matá-los”, disse o co-fundador da TLP, Muhammad Afzal Qadri, em um protesto em Lahore. “Quem tiver acesso a eles, mate-os antes da noite”.

Ele também pediu a expulsão de Khan do governo e incentivou oficiais do exército a se levantarem contra o poderoso chefe militar General Qamar Javed Bajwa, que ele disse que “deve ser saqueado do exército”.

Khan se dirigiu à nação em um discurso televisionado na noite de quarta-feira, apoiando a decisão da corte e alertando os ultra-islamistas a não perturbarem a nação.

“Não permitiremos que ocorram danos. Não permitiremos que o tráfego seja bloqueado”, disse Khan. “Eu apelo para vocês, não forcem o Estado na medida em que tem sido forçado a agir”.

O TLP foi fundado a partir de um movimento de apoio a um guarda-costas que assassinou o governador da província de Punjab, Salman Taseer, por defender Bibi em 2011. O ministro federal das minorias, Shahbaz Bhatti, também foi morto depois de pedir sua libertação.

veja também