Netflix anuncia fim da série 'Messiah' após críticas de muçulmanos

Produção polêmica, que estreou em janeiro, termina na primeira temporada.

fonte: Guiame, com informações do Adoro Cinema e Premier

Atualizado: Sexta-feira, 17 Abril de 2020 as 3:15

Cena da série Messiah, da Netflix. (Foto: Reprodução)
Cena da série Messiah, da Netflix. (Foto: Reprodução)

A Netflix não renovará a polêmica série Messiah (Messias) para uma segunda temporada.

A notícia foi revelada pelo site The Hollywood Reporter, anunciando que a plataforma acaba de cancelar a produção de Mark Burnett.

A confirmação da série também feita pelo ator Will Traval, no Instagram. “Hoje é um dia muito triste. Acabei de receber a notícia da Netflix de que não haverá uma segunda temporada de Messiah. Queria agradecer a todos os fãs pelo seu apoio e amor. Gostaria que as coisas fossem diferentes".

Enquanto a Netflix insistia que o motivo do cancelamento era devido ao fato de o programa ser filmado em todo o mundo - algo quase impossível de ser feito durante a atual pandemia de coronavírus - outros sugeriram que o assunto controverso do drama tornava a produção insustentável.

Na trama, Al-Masih/Payam (Mehdi Dehbi) é uma figura misteriosa que surge no Oriente Médio apresentando-se como o novo Messias. Rapidamente, uma base enorme de adoradores se forma ao redor do rapaz, enquanto outros grupos o acusam de fraude, o que acaba piorando o tenso clima geopolítico deste futuro (quase) alternativo.

Controvérsias

Apesar de a Netflix não divulgar dados de exibição detalhados de seus programas, uma fonte disse ao The Hollywood Reporter que a empresa não se sentia confiante em produzir outra temporada de sua série, que apresenta um elenco internacional e foi filmado em vários países, dado o estado atual do mundo ao enfrentar a pandemia de coronavírus.

Por sua controvérsia e falta de clareza quanto a que ligação o personagem tem com o cristianismo ou o islamismo, a série foi criticada por ambos os lados. Surgiram críticas de a série ser "anti-islâmica" e para cristãos, o Messiah não se trata da figura de Jesus.

A Jordânia – onde alguns episódios foram filmados – não permitiu que a série fosse transmitida no país.

"A história é puramente fictícia e os personagens também. No entanto, a RFC considera que o conteúdo da série pode ser amplamente percebido ou interpretado como uma violação da santidade da religião [ilsmâmica]", disse a Royal Film Commission (RFC) da Jordânia.

"Embora permaneça firme em seus princípios, notavelmente o respeito à liberdade criativa, a RFC - como instituição pública e responsável - não pode tolerar ou ignorar mensagens que violem as leis básicas do Reino", justificou.

Uma petição do Change.org, criada em protesto contra a série, criticou o programa como "propaganda maligna e anti-islâmica".

Uma das principais críticas parece estar relacionada ao nome do personagem messiânico central: Al-Masih ad Dajja.

Segundo a escatologia islâmica, Al-Masih ad-Dajjal refere-se a uma figura maligna comparável ao anticristo, e cujo nome se traduz em "o falso messias, mentiroso, enganador".

Messiah foi criado por Michael Petroni e produzido pelo conhecido casal cristão Roma Downey e Mark Burnett. A dupla foi responsável por títulos como A Bíblia, Ben-Hur e Filho de Deus. Burnett também produziu reality shows americanos Survivor e The Apprentice.

veja também