ONG cristã é forçada a agenciar adoções de crianças para casais gays, nos EUA

A organização 'New Hope' está correndo o risco de ser fechada sob ordens do governo de Nova York.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: terça-feira, 11 de dezembro de 2018 16:30
A ONG 'New Hope' pode ser fechada pelo governo de Nova York. (Foto: Reprodução)
A ONG 'New Hope' pode ser fechada pelo governo de Nova York. (Foto: Reprodução)

O Estado de Nova York deu um ultimato a uma agência cristã de adoção, sediada em Syracuse, exigindo que ela mude sua política de adoção, que não considera a colocação de crianças sob a guarda de casais do mesmo sexo. A exigência do governo é que esta política mude ou então a organização será obrigada a parar com o agenciamento de adoções.

A 'New Hope Family Services' entrou com uma ação federal contra o comissário do Escritório Estadual de Serviços para Crianças e Famílias (OFCS), alegando que a organização sem fins lucrativos poderia ser forçada a abandonar seu programa de adoção se não mudasse sua política de priorizar a colocação em residências com lares formados por uma mãe e um pai.

A ONG, que foi fundada em 1965 e também fornece serviços de acolhimento e recursos para gravidez, colocou mais de 1.000 crianças em lares adotivos em todo o estado desde sua fundação.

De acordo o escritório de advocacia 'Alliance Defending Freedom' (ADF), que está defendendo a ONG, a 'New Hope' foi fundada "para ser mãos de Cristo, estendidas para oferecer esperança e ajuda a pessoas com gravidez, pais, adoções ou necessidades pós-aborto na região de Siracusa e em todo o estado de Nova York".

De acordo com o processo, a New Hope não aceita financiamento estatal e financia seu ministério através de igrejas, doadores e concessões privadas.

A ação detalha os problemas da New Hope no final de outubro, depois que a OFCS analisou o manual de políticas e procedimentos da organização e discordou da política de colocação da organização. A revisão da política veio depois que um agente da agência fez uma visita ao local para New Hope e até mesmo tomou nota do “número de pontos fortes” do programa de adoção da New Hope.

Mas depois de analisar as políticas da New Hope, o OFCS classificou a política da New Hope como “discriminatória e inadmissível”.

Em uma carta à New Hope, a OFCS disse que a “política da agência relativa a não colocar 'crianças com aqueles que vivem juntos sem o benefício do casamento' ou 'casais do mesmo sexo' viola o Título 18 do Código, Regras e Regulamentos de Nova York”.

"A carta fornecia um ultimato para que a New Hope revisasse a política atual e continuasse o programa de adoção existente ou deixasse a política em conformidade com o regulamento", caso em que o OCFS não permitiria mais o funcionamento da ONG.

"O atual programa de adoção da 'New Hope' terá que a apresentar um plano de fechamento para o programa de adoção”, explica o processo.

A ação argumenta que o ultimato do Estado para a Nova Esperança forçaria a agência a "escolher entre violar sua fé ou deixar de exercer sua religião ao fechar seu ministério de adoção".

"O Estado de Nova York nunca mudou suas leis de adoção para tornar obrigatório que os provedores de adoção coloquem filhos com outros casais além de 'um marido adulto e sua esposa adulta", afirma o processo. "Em vez disso, os burocratas não eleitos do Escritório de Serviços para Crianças e Famílias de Nova York pretendem fazê-lo por meio de sua adoção, interpretação e aplicação de um novo regulamento".

Erik Stanley, diretor da ADF para Ministérios Cristãos, disse em um comunicado que os serviços de adoção existem apenas para ajudar as crianças.

"Não há nenhuma razão para o estado destacar e punir aqueles que acreditam que o melhor lar para uma criança inclui um pai e uma mãe", argumentou Stanley. "Crianças em Syracuse, em todo o estado e em todo o país sofrerão se essa hostilidade em relação aos provedores de adoção baseada na fé se tornar o status quo".

Contexto

Nos últimos anos, prestadores de serviços de adoção e acolhimento baseados na fé de outros estados, como Massachusetts, Illinois, Washington, DC e Califórnia também tiveram que suspender seus serviços de adoção na última década - mais por causa das políticas que proíbem as agências de impedir que crianças sejam colocadas sob a guarda de casais gays.

"Para eliminar as agências baseadas na fé no campo do serviço sobre a ideologia, para tirar suas licenças, o que está acontecendo nos estados, para impedir que eles entrem em contrato para fornecer esses serviços para entidades públicas ... isso vai acabar com menos recursos para crianças em lares adotivos e crianças não serão adotadas", advertiu Chuck Johnson, presidente do Conselho Nacional de Adoção não-partidário, em abril.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições