Pais oram após escola apresentar show de drag queen sem avisá-los: “Não vamos recuar”

Eles condenaram o conselho escolar por permitirem o show feito às escondidas: “Exploração de nossos filhos”.

Fonte: Guiame, com informações de FaithwireAtualizado: segunda-feira, 16 de maio de 2022 13:24
Momento de oração dos pais, antes da reunião com o Conselho Escolar. (Foto: Captura de tela/Vídeo Twitter Ben Zeisloft)
Momento de oração dos pais, antes da reunião com o Conselho Escolar. (Foto: Captura de tela/Vídeo Twitter Ben Zeisloft)

Depois de um show de drag queen organizado por uma professora, um grupo de pais da Pensilvânia protestaram durante uma reunião do Conselho Escolar.

“Nossas escolas estão exagerando e doutrinando nossos filhos, o que criou confusão e estresse nos mais vulneráveis”, disse Stacey Hernandez, uma das mães que condenou o conselho escolar por permitir “sujeira em nossas escolas” e permitir a “exploração de nossos filhos”.

“É uma forma de abuso infantil, e trata-se de indecência em nossas escolas e falta de liderança”, acrescentou. Vários pais e mães levantaram suas vozes em oposição ao show de drag queen.

Sobre o show

A professora da escola pública Hempfield High School não informou aos pais que haveria o evento. Durante o show, organizado pelo clube Gay-Straight Alliance (GSA), havia danças sexualmente provocativas que deixaram os pais indignados, conforme o The Daily Wire. 

O clube GSA da escola é patrocinado pela professora de francês Kelly Tyson, que convidou os artistas drag queen. Uma mãe repreendeu o conselho escolar por não ter feito seu trabalho de informar aos pais sobre o evento.

Ela disse às autoridades distritais que “um pequeno grupo de pais descobriu sobre o show e tiveram que chamar a atenção de todos os outros”.

“Esse grupo de pais teve que fazer um trabalho que alguém nesta escola deveria ter feito”, disse ela. “É altamente provável que, se esse grupo de pais não tivesse revelado suas descobertas, o show teria continuado nos próximos anos. Isso é preocupante”, continuou. 

‘Movimento às escondidas’

Um dos oradores na reunião alertou os membros do conselho escolar sobre um movimento LGBT que tem o “desejo de ter acesso aos nossos filhos em tenra idade”.

“Esse movimento se esconde atrás de palavras como inclusão, justiça social e igualdade. Vimos isso acontecer em todo o país. Vimos em alguns distritos escolares pais preocupados rotulados como encrenqueiros, agressores e até terroristas domésticos”, ele revelou.

A co-fundadora do grupo parental no Facebook “Let's Talk Hempfield”, Meredith Hilt, também se dirigiu ao conselho escolar, dizendo aos funcionários do distrito que “a ousadia dessas pessoas é o resultado direto da degradação e total desrespeito aos direitos dos pais dentro de nossa escola”. 

Momento de oração

Antes de entrar na controversa reunião do conselho escolar, muitos pais se reuniram ao redor do mastro da bandeira, em frente ao prédio administrativo do distrito escolar, onde oraram por sabedoria e proteção antes da assembleia.

“Estamos caminhando com ousadia pelo Teu Reino, Senhor. Então, nós te agradecemos pela proteção e segurança. Nós agradecemos porque tuas palavras sairão de nós, Senhor”, uma das mães orou.

“Agradecemos também porque o Espírito Santo está se movendo dentro de todos nós e te daremos a glória, falando da sua verdade. Não vamos recuar, falaremos com ousadia na fé e no amor, assim como Jesus fez quando esteve nesta Terra”, prosseguiu. 

“O Senhor nos disse que faríamos coisas ainda maiores. E o Senhor nos escolheu para viver esse tempo, que privilégio”, continuou a oração.bAlguns pais cristãos até conversaram pacificamente e abraçaram os alunos que fazem parte do clube GSA.

Defensores do movimento drag queen

Enquanto vários pais levantaram suas vozes contra a escola por expor as crianças a tal conteúdo sexualizado, houve alguns que se manifestaram em apoio ao show de drag queen exibido “de forma clandestina” para os alunos.

Uma oradora, que não ligou sua câmera, apareceu na reunião do conselho escolar via Zoom. “Embora os shows de drag possam ser desconhecidos para muitos nesta comunidade, eles têm um legado histórico e um contexto importante tanto na comunidade queer quanto na luta por direitos iguais”, disse ela em apoio ao show. 

“Muitos dos pais que ficam horrorizados parecem não entender isso. Estes são momentos de ensino, no contexto apropriado”, ela defendeu. 

A mulher também repreendeu os pais e membros da comunidade por enquadrarem a situação usando palavras como “predadores” e “groomers”. Ela disse que não considera as performances “eróticas” ou “obscenas”.

O vice-presidente da GSA, Miguel Angel, também expressou seu apoio ao show de drag queen. Ele discorda que haja uma investigação sobre o caso. 

Mas o distrito escolar explicou que a investigação “não é um ataque ao GSA Club nem à comunidade LBGTQ+”. O objetivo final da investigação é descobrir com precisão os fatos do que ocorreu e como, e determinar os próximos passos apropriados. 

A conclusão do relatório disse que as recomendações serão feitas com base nas descobertas e as ações apropriadas serão determinadas para evitar uma ocorrência semelhante.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições