Partido Comunista Chinês força site cristão a fechar após 20 anos de serviço

Nenhum grupo religioso na China pode realizar atividades online sem permissão do governo.

Fonte: Guiame, com informações do ICCAtualizado: segunda-feira, 2 de maio de 2022 10:42
(Foto: Unsplash)
(Foto: Unsplash)

Um site cristão na China com mais de 20 anos de história deixou de existir recentemente em meio à repressão do governo contra o cristianismo na internet.

Em 12 de abril, o site “Jona(h) Home” publicou um aviso, com a seguinte informação: “Por razões conhecidas por todos, a partir de agora nosso site não pode mais servir irmãos e irmãs em Cristo. Obrigado a todos por sua companhia e apoio nos últimos 21 anos!”

O aviso continuou: “O desaparecimento de um site é só o desaparecimento de um site, não tem nenhum significado. Exceto que o link do site não pode mais ser aberto, não há mais que tenha sido parado; não há com o que se preocupar, só continue seguindo em frente.”

De acordo com a organização International Christian Concern, não há mais nada no site, apenas o aviso. 

Na Baidu Tieba, a maior plataforma de comunicação chinesa, usuários estão se perguntando sobre o que aconteceu com o site Jona Home. Embora ninguém ousasse mencionar a repressão do governo, alguns responderam: “Não tem nada a ver com seu laptop. Você deve saber o motivo.”

Em 1º de março, o governo chinês proibiu oficialmente atividades religiosas online não autorizadas. 

Nenhum grupo religioso pode realizar atividades religiosas online sem uma licença emitida pelo governo. Mesmo antes da proibição ser implementada, os aplicativos da Bíblia e muitas contas cristãs do WeChat foram fechadas na China.

“O fechamento do Jona Home reflete como as autoridades chinesas reprimem o cristianismo”, disse o padre Francis Liu, da Comunidade Cristã Chinesa de Justiça, à Radio Free Asia.

“Eu me sinto triste do fundo do meu coração com o fechamento de um site assim. Certamente, este é o resultado mais direto de como a China está atualmente perseguindo e oprimindo a liberdade religiosa”, acrescentou o padre.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições