Pesquisas: Fé pode tornar pessoas mais felizes, menos doentes e capazes de viver mais

O Pew Research Center diz que frequentar a igreja pode ser um passo na direção certa para quem quer ter uma vida mais feliz e saudável.

fonte: Guiame, com informações do Deseret News

Atualizado: Segunda-feira, 25 Fevereiro de 2019 as 10:20

Amizades na igreja podem incentivar saúde física e mental. (Foto ilustrativa: Thinkstock)
Amizades na igreja podem incentivar saúde física e mental. (Foto ilustrativa: Thinkstock)

Adultos ativamente religiosos, ou pessoas que se filiam a um grupo religioso e frequentam serviços religiosos pelo menos uma vez por mês, têm maior probabilidade de se envolver em sua comunidade e dizem que são mais felizes do que aqueles que são religiosamente inativos ou não-afiliados, informou Pew Research Center, com base em dados de três pesquisas internacionais.

A nova análise do Pew explora dados de mais de 20 países, a partir de pesquisas conduzidas pelo Pew, pela World Values Survey Association e pelo International Social Survey Program. Centra-se em oito indicadores de saúde, incluindo hábitos de exercício e níveis de felicidade autoavaliados.

 “Mais de um terço dos adultos ativamente religiosos dos EUA (36%) se descrevem como muito felizes, em comparação com apenas um quarto dos americanos inativos e não-afiliados”, observaram os pesquisadores.

A atividade religiosa também está associada a alguns benefícios à saúde física, como a menor probabilidade de fumar ou beber, observaram os pesquisadores. No entanto, não parece aumentar a frequência do exercício, reduzir as taxas de obesidade ou levar as pessoas a se descreverem como “muito saudáveis”.

O Pew não afirma que a atividade religiosa cause esses resultados positivos para a saúde, disse Joey Marshall, pesquisador associado da organização. A análise apenas aponta que os adultos religiosamente ativos se destacam dos outros em algumas medidas de bem-estar.

“Não podemos provar que a religião torna as pessoas mais felizes ou mais saudáveis. Podemos simplesmente observar que pessoas que são ativamente religiosas tendem a ser mais felizes e, de certa forma, tendem a ser mais saudáveis”, disse Marshall.

“Mesmo essa conclusão menos dramática é importante em uma época em que a prática religiosa está mudando ao redor do mundo”, acrescentou o pesquisador.

“Este relatório indica que é muito importante para nós observar as mudanças em todo o mundo em número de ativamente religiosas”, disse Marshall. Comparando aqueles que estão muito comprometidos com a prática religiosa e o resto da população, vemos “grandes brechas de bem-estar”.

Religião e saúde

A relação entre religião e saúde é há muito tempo uma fonte de fascínio para pesquisadores, líderes religiosos e pessoas comuns. Eruditos famosos como Émile Durkheim, Sigmund Freud e Friedrich Nietzsche tentaram provar que a prática religiosa tem consequências para a saúde mental, mas na maioria das vezes estavam formulando hipóteses em vez de conduzir pesquisas rigorosas.

Mais recentemente, estudiosos examinaram a influência da religião na saúde física, usando novas técnicas de pesquisa para tirar conclusões interessantes.

“Muitos dos estudos que foram publicados nos últimos 30 anos descobriram que as pessoas religiosas tendem a viver mais, ficam doentes com menos frequência e são mais capazes de lidar com o estresse”, relatou Pew.

Esses esforços foram e são complicados por uma série de fatores, incluindo a diversidade das tradições religiosas. Alguns grupos de fé proíbem fumar e beber, enquanto outros desencorajam visitas hospitalares. Algumas tradições enfatizam o perdão, o que poderia aliviar a ansiedade, enquanto outras enfatizam a ameaça do castigo eterno.

Além disso, os ativamente religiosos “tendem a ser mais velhos, um pouco menos instruídos e mais propensos a serem mulheres e casados” do que seus colegas menos ativos, fatores demográficos que podem gerar resultados relacionados à saúde, relatou Pew.

Os pesquisadores mantiveram isso em mente enquanto trabalhavam no novo relatório e realizaram testes para confirmar que os resultados ainda eram estatisticamente significativos após o controle de idade, sexo, educação, renda e estado civil. Durante a elaboração do relatório, eles discutiram como enquadrar de maneira justa e apropriada as descobertas, disse Marshall.

“Queríamos tratar a questão com muito cuidado, com um nível apropriado de humildade e comunicar a incerteza com a maior clareza possível”, disse ele.

A nova pesquisa do Pew também contém lições para os líderes religiosos, que querem permanecer relevantes em meio a mudanças demográficas nos EUA e em todo o mundo.

Algumas igrejas tentaram expandir seu alcance transmitindo serviços on-line de adoração, como Laura Turner, uma comentarista cristã, observou em uma recente coluna para o The New York Times.

“Você não precisará mais sair de casa para interagir com os companheiros de adoração. Você pode fazer tudo a partir do conforto e do isolamento de sua própria casa”, escreveu ela.

Essa abordagem pode enfraquecer a capacidade do grupo religioso de fortalecer as conexões sociais, que é um dos benefícios relacionados à saúde destacados no estudo de Pew. Como disse Turner, “precisamos um do outro”.

veja também