Rede de Sobreviventes de Aborto mostra inúmeros casos de bebês que resistiram à prática

Organização, que tem 300 membros, trabalha em prol de bebês que conseguiram permanecer vivos após aborto.

fonte: Guiame, com informações da BPNews

Atualizado: Quarta-feira, 4 Setembro de 2019 as 10:59

Melissa Ohden, sobrevivente de aborto, em defesa dos bebês.. (Foto: Reprodução/Facebook)
Melissa Ohden, sobrevivente de aborto, em defesa dos bebês.. (Foto: Reprodução/Facebook)

Quando os legisladores do Texas consideraram um projeto de lei no início deste ano exigindo atendimento médico para bebês que sobrevivem ao aborto, as agências de notícias informaram que o estado não havia recebido nenhum relato de casos desse tipo.

O governador de Wisconsin, Tony Evers, democrata, considerou um esforço semelhante em seu estado e "não um uso produtivo do tempo". E um porta-voz do governador da Carolina do Norte, Roy Cooper, disse que um projeto de lei para proteger os sobreviventes do aborto, que Cooper, um democrata, vetou, "criminalizaria os médicos por uma prática que simplesmente não existe".

Para mostrar que os sobreviventes de aborto existem, Melissa Ohden, que sobreviveu a um aborto salino no verão de 1977, está à frente desta luta em defesa dos bebês.

O fato de Melissa ter sobrevivido ao aborto fez com que a família de sua mãe a colocasse secretamente para adoção.

Melissa descobriu a verdade sobre seu nascimento quando tinha 14 anos e mais tarde fundou a Rede de Sobreviventes de Aborto (Abortion Survivors Network), que ela diz ter cerca de 300 membros.

Mais sobreviventes

No início deste mês, a Fox News relatou dados do Arizona, Minnesota e Flórida que mostraram que 40 bebês nasceram vivos após tentativas de aborto de 2016 a 2019.

Em todo os EUA, de acordo com dados do Centers for Disease Control and Prevention, 143 crianças morreram entre 2003 e 2014, depois de sobreviver a um aborto.

"Embora o movimento pró-vida tenha sabido sobre os sobreviventes e um pouco dos dados, a realidade é que a cultura mainstream em geral ainda não sabia sobre nós", disse Melissa.

Em Minnesota, os médicos relataram 11 bebês nascidos vivos após um aborto desde 2016. Autoridades do Arizona relataram 10 em 2017 e a Flórida relatou 19 desde 2017, incluindo duas neste ano.

Assistência aos sobreviventes

A preocupação com a assistência médica aos sobreviventes do aborto surgiu no início deste ano, depois que alguns estados americanos começaram a adotar leis radicais que permitem o aborto até o momento do nascimento, como Nova York.

Em uma discussão sobre uma lei de aborto de longo prazo na Virgínia, a delegada estadual Kathy Tran e o governador Ralph Northam, ambos democratas, pareciam apoiar o infanticídio.

Logo após essas observações, o governador do Texas, Greg Abbott, republicano, assinou um projeto de lei exigindo que os médicos do estado dessem "tratamento médico adequado" a bebês nascidos vivos após um aborto.

A lei, que entrou em vigor no domingo (1 de setembro), impõe uma multa de pelo menos US$ 100.000 para os médicos que a violarem.

A sobrevivente do aborto e a advogada pró-vida Gianna Jessen disse que se os sobreviventes do aborto não forem reais, não faria mal a ninguém aprovar a legislação.

"Sabemos, é claro, que isso acontece, e sabemos que eles sabem disso", disse ela. "Eu acho que é um uso incrivelmente horrível do tempo deixar um bebê, qualquer bebê, morrer sem cuidados. Mas para deixar um bebê que tenha vontade e tenacidade de viver através de alguém tentando acabar com sua vida, existe uma frieza ali que é insondável para mim, e uma maldade que está além da descrição."

As notícias de 40 bebês nascidos vivos após o aborto surpreenderam alguns defensores da vida. John Smeaton, executivo-chefe da Sociedade para a Proteção das Crianças Não Nascidas, com sede no Reino Unido, considerou perturbador o fato de que mais bebês sobrevivem às tentativas de aborto do que ele jamais imaginara.

Connor Semelsberger, advogado do Family Research Council, com sede nos EUA, disse à Fox News que os números são "muito mais altos do que jamais suspeitávamos".

Melissa incentivou seus companheiros sobreviventes do aborto a se posicionaram sempre sobre esse assunto.

"De alguma forma, tenho direito a um aborto, mas nunca tive o direito de viver em primeiro lugar? Isso é realmente um absurdo", disse ela. "E acho que nossa cultura precisa ouvir esse tipo de história. As histórias de sobreviventes, as histórias de mulheres que se arrependem do aborto, as trabalhadoras do aborto, elas precisam ouvir essas histórias que foram silenciadas para que possamos mudar.”

veja também