Símbolos satânicos marcam série de ataques a igrejas na França

Cerca de 12 igrejas católicas na França foram alvo de uma série de ataques de vandalismo no último mês.

fonte: Guiame, com informações do Washington Post

Atualizado: Sexta-feira, 5 Abril de 2019 as 11:02

Bombeiros contêm incêndio provocado na igreja de Saint-Sulpice, em Paris. (Foto: @agneswebste/Via Reuters)
Bombeiros contêm incêndio provocado na igreja de Saint-Sulpice, em Paris. (Foto: @agneswebste/Via Reuters)

Símbolos satânicos, cruzes com excremento humano, estátuas estilhaçadas no chão e incêndios devastadores. Estas são umas das características de uma série de ataques contra 12 igrejas católicas na França, realizados dentro de sete dias em março.

A tendência que se tornou comum em cidades menores foi confirmada por um recente incêndio em St. Sulpice, a segunda maior igreja de Paris. Incidentes como estes têm pouca atenção da imprensa, mas preocupam cada vez mais os líderes religiosos do país.

Entre os ataques, uma igreja na cidade de Nimes foi profanada com uma cruz de excrementos humanos, estátuas foram destruídas em um subúrbio de Paris e a cabeça da imagem de Jesus foi decapitada na comuna de Saint Gilles Croix de Vie.

As discretas reações aos ataques refletem o distanciamento da sociedade em relação à religião — não apenas o cristianismo, mas também outras..

“Nós não somos vítimas de uma ‘catolicofobia’”, disse o arcebispo Georges Pontier, chefe da conferência dos bispos franceses, à revista Le Point . “Em sua história, o judaísmo travou uma luta contínua contra grupos antissemitas. Nós, católicos da França, não precisamos enfrentar essa violência todos os dias”.

Também cresceram os ataques a outros locais religiosos, especialmente judaicos e muçulmanos. Os protestantes, que representam apenas 2% da população da França, foram alvo de poucos ataques contra suas igrejas, possivelmente por causa de seu distanciamento dos símbolos católicos.

Religião e sociedade

Apenas 5% dos católicos franceses participam da missa dominical, fazendo com que muitas igrejas ao redor do país tenham um papel basicamente turístico nos centros das cidades. Seus edifícios estão sendo fechados ou reagrupados em paróquias maiores — vazios durante a maior parte da semana, se tornam um alvo convidativo para vândalos.

“Parte da população não foi socializada como cristã e não percebe o que esses ataques podem significar”, explica o sociólogo Philippe Portier.

A polícia acredita que os ataques podem ser promovidos por diferentes grupos de pessoas: ladrões de artigos religiosos que podem ser vendidos no mercado negro e vândalos hostis à religião, mas que geralmente não são identificados.

Esses vândalos derrubam cruzes, dispersam hóstias e destroem estátuas para chocar os católicos que consideram esses objetos sagrados.

Miviludes, uma agência do governo criada em 2002 para monitorar seitas religiosas e políticas que possam constituir ameaça à segurança pública, alertou há mais de uma década contra satanistas que atacam cemitérios e promovem “atos bárbaros”.

Embora o número de satanistas na França seja pequeno, as ideias que eles representam — hostilidade à religião e rejeição de instituições — se lançam em pontos de vista mais amplos na sociedade francesa.

“Há novos movimentos religiosos que consideram que a imposição da crença em Deus nos castrou e eles devem destruir seus símbolos”, disse Portier.

veja também