Trump revela plano com “solução de dois Estados” para levar paz ao Oriente Médio

A proposta não teve a participação dos palestinos, que já dizem rejeitar o acordo.

fonte: Guiame, com informações do Daily Mail

Atualizado: Terça-feira, 28 Janeiro de 2020 as 3:31

Trump durante anúncio do plano de paz, ao lado de Benjamin Netanyahu. (Foto: Reprodução/ Daily Mail)
Trump durante anúncio do plano de paz, ao lado de Benjamin Netanyahu. (Foto: Reprodução/ Daily Mail)

O presidente americano, Donald Trump, acaba de apresentar o esperado plano de paz no Oriente Médio. O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (28) com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu ao seu lado, dizendo que haveria uma "solução de dois estados" com um túnel que liga a Cisjordânia à Faixa de Gaza.

Trump disse que era uma “visão de paz, prosperidade e um novo futuro" para Israel e Palestina enquanto ele falava na sala leste da Casa Branca, lendo um teleprompter e se recusando a fazer perguntas.

Ele afirmou que Israel deu um "salto gigante" ao se inscrever em uma solução de dois estados e afirmou que foi um "ganha-ganha" para ambos os lados.

O plano divulgado na terça-feira mais que dobra o território atualmente sob controle palestino, embora também reconheça a soberania israelense sobre os principais blocos de assentamentos na Cisjordânia, algo ao qual os palestinos quase certamente se oporão.

Os palestinos não estavam presentes, nem os democratas, nem o principal oponente de Netanyahu, Benny Gantz, que ele enfrentará nas eleições de março. O próprio Netanyahu havia desistido horas antes de lutar pela imunidade de acusações de corrupção e agora é indiciado por eles.

Mas Trump disse: “Pela primeira vez em muitas e muitas décadas, posso dizer: isso vai funcionar”.

Netanyahu disse que apoiou o acordo porque "reconhece a soberania israelense sobre seções da Judeia e Samaria" . Ou seja, seções do que é atualmente definido como Cisjordânia, "que são vitais para nossa segurança".

Ele disse que Trump reconheceu que “Israel deve ter soberania no vale do Jordão”, algo que os palestinos disseram que nunca concordarão.

“Última oportunidade”

Trump alegou que poderia ser uma “última oportunidade” para os palestinos alcançarem o estado e deu como razão a “equipe inteligente” que havia trabalhado nele, destacando o papel de seu genro Jared Kushner, cuja esposa Ivanka estava na audiência.

Ele disse que o primeiro ministro britânico Boris Johnson estava entre os líderes mundiais que o ligaram, dizendo que os líderes se ofereceram “para fazer qualquer coisa para ajudar”.

Ele também elogiou Mike Pompeo, seu secretário de Estado. “Você fez um bom trabalho”, disse Trump.

Houve uma ovação de pé para Pompeo de uma plateia que incluía, entre outros, judeus americanos importantes, incluindo o bilionário Sheldon Adelson, e Alan Dershowitz.

Outros membros de sua equipe de defesa, incluindo Mark Meadows, o congressista republicano da Carolina do Norte, e Lee Zeldin, o congressista do norte de Nova York, bem como os líderes da Casa Republicana Kevin McCarthy e Steve Scalise e o senador do Texas GOP Ted Cruz.

O plano, que foi envolto em segredo, foi revelado quando os advogados do presidente se preparam para encerrar sua defesa em seu julgamento de impeachment no Senado.

O presidente disse na segunda-feira do plano que "veremos se ele se sustenta ou não".

“Se isso acontecer, seria ótimo, e se não acontecer, também podemos conviver. Mas acho que pode ter uma chance”, disse ele ao lado de Netanyahu na Casa Branca na segunda-feira (27), antes de também receber Benny Gantz.

Netanyahu, que elogiou Trump como “o maior amigo que Israel teve na Casa Branca”, descreveu o plano como “o acordo do século”.

Trump, cuja equipe trabalha há muito tempo nos esboços de um plano desse tipo, se declarou ser o presidente mais pró-Israel dos EUA na história.

Na segunda-feira, Trump também se encontrou separadamente com Gantz, mas os holofotes caíram quase inteiramente no primeiro ministro em exercício - assim como quaisquer dividendos políticos de um plano de paz que favoreça Israel.

Enquanto isso, os palestinos já rejeitaram a proposta.

Nenhum palestino foi convidado para o evento na Casa Branca. Eles dizem que nunca foram incluídos na elaboração do plano e afirmam que ele não atende ao desejo de acabar com a ocupação israelense e a expansão, incentivada por Netanyahu, de assentamentos judeus em terras palestinas.

Na semana passada, Trump disse que falou aos palestinos “brevemente” sobre o plano.

“Conversamos com eles brevemente. Mas falaremos com eles em um período de tempo”, disse ele. “E eles têm muito incentivo para fazer isso. Tenho certeza de que eles talvez reagam negativamente a princípio, mas é realmente muito positivo para eles”.

Boicote ao plano

Os líderes palestinos descartaram a iniciativa de paz dos EUA como unilateral.

O primeiro-ministro palestino, Mohammed Shtayyeh, pediu na segunda-feira que os poderes internacionais boicotem o plano, que ele disse ter sido projetado "para proteger Trump do impeachment e proteger Netanyahu da prisão".

Netanyahu enfrenta acusações de corrupção em Israel por suborno, fraude e quebra de confiança.

“Não é um plano de paz no Oriente Médio”, disse Shtayyeh em uma reunião do gabinete. “Este plano confere soberania a Israel sobre o território palestino”.

Trump cortou a ajuda aos palestinos, enquanto fazia grandes concessões aos israelenses, inclusive formalizando o reconhecimento dos EUA da cidade dividida de Jerusalém como capital israelense.

“É muito bom para eles, de fato, é excessivamente bom para eles”, disse Trump na segunda-feira sobre as disposições do plano para a Palestina. “Acreditamos que teremos finalmente o apoio dos palestinos”.

Os palestinos buscam a Cisjordânia como o coração de um futuro estado independente e Jerusalém oriental como sua capital. A maior parte da comunidade internacional apóia sua posição, mas Trump reverteu décadas da política externa dos EUA ao se alistar mais descaradamente com Israel. A peça central de sua estratégia era reconhecer Jerusalém como capital de Israel e mudar a embaixada americana para lá. Ele também fechou escritórios diplomáticos palestinos em Washington e cortou fundos para programas de ajuda palestinos.

veja também