"As mulheres não se sentem amadas" diz pastor que atuou na produção A Prova de Fogo

"As mulheres não se sentem amadas" diz pastor que atuou na produção A Prova de Fogo

Atualizado: Quinta-feira, 23 Setembro de 2010 as 1:22

O pastor Steven Dervan deixou sua marca no filme Prova de Fogo, atuando como motorista do caminhão de bombeiros, que na vida real foi a profissão de seu pai.  Palestrante internacional Steven tem viajado pelo mundo dando palestra ajudando a  restaurar os relacionamentos de casados e noivos.

Em sua segunda visita ao Brasil para uma extensa agenda de encontros o pastor recebeu nossa equipe para falar sobre relacionamento e família.

Confira a entrevista:

Quando você percebeu que tinha vocação para o ministério que visa cuidar e tratar de famílias e relacionamentos?

Eu nasci em uma casa muito conturbada e essa experiência me fez acreditar que eu poderia ajudar muitas pessoas. Eu tinha uma relação muito boa com a minha esposa e eu sempre quis que meus filhos em amassem e soubessem que eu os amo muito também, então, quando eu aceitei a Jesus e quando Ele me chamou para o ministério naturalmente as coisas se juntaram e eu comecei a fazer isso.

Quais são as maiores dificuldades encontradas dentro de um relacionamento?

O maior problema encontrado nos relacionamentos de hoje é que os homens não tomam a responsabilidade que Deus deu a eles de serem líderes de suas casas. As mulheres não se sentem amadas, os filhos se sentem colocados de lado e isso faz com que as famílias sejam acolhidas para as igrejas. Mas esta não é a intenção de Deus.

Você acredita que a influência que a mídia exerce hoje nos lares tem gera crises familiares?

Temos um grande volume de “barulho” entrando nos lares fazendo com que as famílias não invistam mais passar um tempo juntos. No meu país as pessoas sentam juntas na hora das refeições para conversarem e perguntarem como foi o dia ou como elas estão, mas a mídia acaba exercendo uma grande influência na maneira como criamos nossas famílias hoje.

A internet transformou a forma das pessoas se relacionarem. Você acha que as relações se tornaram frias e mecânicas?

Sim, eu acredito. Eu penso que os pais atualmente preferem tirar o peso da responsabilidade e deixarem seus filhos mais a vontade. A internet é igual a dinheiro, pode ser utilizado de maneira positiva para muitas coisas, mas também pode ser algo terrível. Devemos filtrar as informações que chegam dentro de nossas casas e Deus nos chama a atenção para sermos muito ativos na criação de nossos filhos e nos diz que a responsabilidade das escolhas que nossos filhos fazem são dos pais.

No Brasil existe um projeto de lei que livra as crianças de palmadas e beliscões. O que você pensa disso? Como os pais devem educar suas crianças?

A bíblia nos diz que devemos entender como os espíritos trabalham. Disciplinar seus filhos não te transforma na pior pessoa do mundo, a Palavras nos diz que somos responsáveis por educá-los e da mesma forma que um juiz faz com você. O punimento tem relação com o crime que você comete, óbvio que não vou espancar meu filho, mas se for preciso, eu vou dar algumas palmadas nele.

Percebemos que atualmente os casais têm deixado de lado o fator romance de suas relações. Como você vê e analisa essa situação?

Hoje está todo mundo muito ocupado. Quando um homem e uma mulher se conhecem existe uma fase de grande romance, ele pensa nela o tempo inteiro e diz isso para ela todo dia, mas em algum momento depois que eles já se conhecem muito bem, se acostumam um com o outro e se tornam familiares e aquela atração e romance que existia antes vão se apagando. Por isso que é importante que os homens continuem sendo românticos com suas esposas. È importante que eles se beijem, que se abracem publicamente e que eles deixem bem claro para os filhos o quanto ele ama a sua esposa. Eu sempre encorajo os homens a lembrar diariamente a primeira vez que avistou sua mulher e recordar do momento que souberam que estavam apaixonados, a primeira dança, o primeiro beijo e quando eles sabiam que queriam se casar. Depois que eles conseguiram isso tudo eles precisam trazer a memória como foi que tudo aquilo começou.

Por: Pollyanna Mattos

veja também