E você, já "caiu no espírito"?

E você, já "caiu no espírito"?

Atualizado: Quarta-feira, 30 Junho de 2010 as 5:12

Um fenômeno espiritual vem acontecendo nas igrejas de linhagem pentecostal no mundo, o "Cair no Espírito", que tornou-se freqüente e causa controvérsias entre os cristãos.  Foi no Canadá, em 1994, mais precisamente na Igreja Comunhão da Videira do Aeroporto de Toronto, onde se começou a perceber algumas manifestações como gargalhadas, tremores e gritos, em um movimento que ficou conhecido como "bênção de Toronto".

No Brasil, atos semelhantes começaram a acontecer durante ministrações de louvor em congressos interdenominacionais e nas igrejas. Muitas pessoas caem durante orações, pregações ou até mesmo com sopro ou movimento da roupa do líder que está ministrando.

Para os que concordam com essa prática, o "Cair no Espírito" é resultado da presença do Espírito Santo no local, o que faz com que o homem, ainda de natureza pecadora, caia em terra, devido à presença Santa de Deus. "Em minha definição 'Cair no Espírito' é entregar-se a Deus, render-se ao seu poder, não resistir à manifestação profunda de sua presença [...] Os efeitos, desdobramentos, mudanças e transformações interiores em resposta a essa entrega profunda são imensuráveis, porém visíveis", crê o pastor, missionário e líder do Ministério Avivamento Extravagante, Jelson Becker.

Segundo o pastor Eliezer Rodrigues, líder da Igreja Evangélica Verbo da Vida e professor do Centro de Treinamento Bíblico Rhema Brasil, a expressão correta seria "cair sob o poder do Espírito", o que é resultado da presença do Senhor: "Eu não creio em 'cair pela fé'. Mas, o tanto de fé que eu libero na Palavra, é o tanto de poder que se manifestará sobre mim. Por exemplo, a energia elétrica é um poder natural que sempre existiu, desde a criação dos céus e da terra. Porém, o homem só descobriu muitos anos depois. E hoje, esse poder natural é usado para o benefício da humanidade. A unção é o poder sobrenatural de Deus. E assim como todo ser humano tem reações ao 'levar um choque' de 110 Volts, com certeza haverá reações quando nos expomos ao poder de Deus".

Entretanto, algumas lideranças não vêem com bons olhos quando esses acontecimentos tornam-se freqüentes. Segundo o bispo e presidente da Comunidade Cristã Internacional Lugar de Vida, César Brazil, o "Cair no Espírito" pode acontecer por indução humana e ser uma porta de entrada para heresias: "Trata-se de uma rotineira manifestação das reuniões modernas, uma experiência mística, que nem sempre pode ser classificada como espiritual. Essa experiência que pode ser produzida por auto-sugestão, pressão da comunidade, ou pela grande vontade que algumas pessoas têm pela experiência sobrenatural. Além do que ela pode dar abertura para muitas heresias. Vi muitas manifestações espirituais na minha caminhada, e sei que nos cultos vodus na África é muito comum isso acontecer. Apesar de se tratar de uma experiência muito exótica, entendo ser necessário cuidado e ética para analisar".

Para os favoráveis, o embasamento bíblico encontra-se em episódios como o de I Reis 8:11, Daniel 8:18 , João 18:6, Mateus 28:2-4, quando as manifestações da presença de Deus não permitiu que os sacerdotes, Daniel e os soldados ficassem em pé. A conversão de Paulo em At 9:2-28, a revelação de Apocalipse a João na Ilha de Patmos em Ap 1:10-17, também são apontadas como comprovações para o "Cair no Espírito".

Porém, para Ubirajara Crespo, pastor líder da Igreja Batista Tempo de Restauração e diretor da Editora Naós, os textos utilizados não dão um respaldo concreto: "A prática de cair no Espírito não tem nenhum embasamento bíblico. O máximo que encontramos, são precedentes, ou seja, algum personagem bíblico caiu diante da presença de Deus, o que abre um precedente, ou uma jurisprudência, para justificar este procedimento. Daniel caiu, João caiu diante da manifestação de Jesus Cristo, os levitas também caíram, mas estas ocorrências não vieram acompanhadas de uma ordem tão direta como - pague o mal com o bem ou ainda - sejam misericordiosos".

Segundo o bispo Brazil, as experiências são pessoais e não podem ser consideradas como dogmas: "Foram somente 11 experiências. Hoje elas caem com as costas em terra. Casos que não são suficientes para dar base ao fenômeno chamado de cair no Espírito. Não possui força para constituir doutrinas ou incluir como liturgia".

"Cair no Espírito" é sinal de avivamento da Igreja?

Apesar das divergências de opiniões, todos os entrevistados não atribuem o fenômeno "Cair no Espírito" como o sinal de um avivamento da Igreja. Segundo os líderes, é importante avaliar se os fenômenos são manifestações humanas, divinas ou demoníacas.

"Se estar caído de costas para  o chão é um sinal de avivamento, acho que estou equivocado quanto ao propósito do cristianismo. Cair não pode ser visto como sinal de plenitude espiritual, e nem mesmo como o sinal de uma vida santa e super consagrada", afirma o Bispo Brazil.

"Em muitos avivamentos da história essas manifestações foram evidenciadas com poder. Porém, viajo todos os finais de semana para ministrar no Brasil e exterior e tenho visto igrejas em que as pessoas vivem "caindo no Espírito", mas, no entanto, ao discernir os corações dos líderes, eles estão distantes de um avivamento", testemunha o pastor Becker.

"Há pessoas que caem só por cair, sem uma manifestação genuína do poder do Espírito. Existe também a manifestação satânica, quem está sensível discerne rapidamente. Mas há a genuína manifestação do Espírito Santo que pode gerar reações no ser humano", explicou o pastor Rodrigues.

Para o bispo Brazil, as experiências com o Espírito Santo geram mudanças: "Digam-me apenas quais são os benefícios diretos para minha vida espiritual. Se existir algum, é de Deus. Porém, se eu não conseguir através desta manifestação mística ou 'espiritual' trazer benefícios diretos para minha espiritualidade, relacionamento com Deus, sua palavra e missão, não dá pra afirmar se é do Diabo, mas com certeza não será de Deus".

Assim também crê o pastor Ubirajara Crespo: "Devemos perguntar se este fenômeno está causando alguma mudança comportamental na pessoa. O diabo traz euforia, mas Deus traz comoção, quebrantamento e riqueza interior. Qualquer fenômeno litúrgico que não provoque este tipo de reação é inútil".

O pastor Becker entende que pode haver indução do "Cair no Espírito" em alguns casos, porém acredita que a ação do Espírito Santo promove atos extravagantes: "Há obreiros que 'forçam' este tipo de manifestação. Apesar da ignorância de alguns, precisamos afirmar que a manifestação do poder de Deus não precisa de nossa força humana da mesma forma que não precisamos nos agarrar a objetos, coisas ou práticas, achando que desta ou daquela forma consegue-se algum favor de Deus. No caso de pessoas serem tocadas por Deus, quando o Espírito age, mesmo à distância as pessoas começam a cair, sem qualquer influência do homem. Outras vezes basta chegar perto da pessoa, dar um leve toque, soprar, aspergir água ou simplesmente caminhar projetando a sombra, e a pessoa está no chão!".   Por Nany de Castro

veja também