Feiticeira diz que poderia ajudar seleção da África do Sul, mas não foi procurada

Feiticeira diz que poderia ajudar seleção da África do Sul, mas não foi procurada

Atualizado: Segunda-feira, 21 Junho de 2010 as 9:49

Aberto em 2004 numa região empobrecida do centro de Johanesburgo, o Mercado de Faraday não aparece em qualquer guia de viagem, mas é muito conhecido dos sul-africanos. Ali se concentram uma dezena de feiticeiros - ou curandeiros tradicionais, como eles preferem ser chamados - que propõem terapias para os mais diferentes problemas, da insônia à Aids, da impotência ao câncer.

Donos de poderes divinos, mas bem conscientes da realidade em que vivem, os feiticeiros do Mercado de Faraday estão preocupados, como de resto todo o país, com a situação da África do Sul na Copa do Mundo. "Eu poderia ajudá-los", diz a curandeira Ntombizonke Mpanza. "Mas o time nunca me consultou", lamenta.

Nesta terça-feira, a África do Sul faz um jogo de vida ou morte contra a França. Precisa vencer por um bom placar e torcer para que Uruguai e México não empatem. Só um milagre, de fato, classifica a seleção anfitriã para as oitavas de final.

"Há um feitiço muito conhecido que ela poderia fazer", explica um colega de Ntombizonke Mpanza, que não se identifica. "Cada vez que a bola vem na direção do goleiro adversário, ele vê um leão e se abaixa, com medo", diz.

Difícil saber o que é verdade e o que é enganação no Mercado de Faraday. Ntombizonke Mpanza nos apresenta a sua assistente, uma sorridente curandeira, que exibe um dente de ouro no lugar de um dos dentes da frente. "Ela é irmã do Tshabalala", diz, referindo-se a um dos craques da seleção de Carlos Alberto Parreira.

Pergunto a ela quantos irmãos têm o jogador. "Muitos", ela responde. "Somos uma família muito grande". Peço que ela soletre seu nome e, com a ajuda de um tradutor, ela anota: "Elisa Shabalala", sem o "tê" do nome do jogador.

Ntombizonke Mpanza trabalha com ervas, ossos e carcaças de animais. Combina-os, de acordo com as necessidades, tritura o material e oferece poções que podem ser bebidas ou usadas para banhos de imersão. A feiticeira não dá detalhes, mas assegura curar Aids e câncer. "Coloca na sua reportagem. Quem sabe você não me arruma clientes do Brasil", diz, sorridente.

Quanto custa uma consulta com a curandeira? "Primeiro, eu ouço a pessoa. Vejo o quanto ela está doente. Quando chega aqui, normalmente, a pessoa já gastou muito dinheiro com outros tratamentos", diz. Para um paciente com dificuldades financeiras, Ntombizonke Mpanza diz cobrar um mínimo de 250 rands (cerca de R$ 60). Remédios para insônia e impotência estão entre os mais solicitados no Mercado de Faraday. "E também epilepsia e hemorróidas", acrescenta a curandeira.

Pergunto a Ntombizonke Mpanza como ela virou curandeira. "Comecei, como todos, ficando doente. Por muito tempo, tomei todos os remédios e nada funcionou. Até que, um dia, ouvi a voz de um ancestral, que me deu recomendações", conta. Ao longo do treinamento, diz, passou por provações duras. "Você tem que acordar as três da manhã e tomar banho gelado, mesmo no inverno", revela. "E não pode ver nenhum homem até completar a preparação".

E quanto tempo demora para virar um curandeiro? "Depende do espírito que está dentro de você", ela responde.

Por: Mauricio Stycer

veja também