Liberalismo e Teísmo Aberto

Liberalismo e Teísmo Aberto

Atualizado: Quarta-feira, 25 Agosto de 2010 as 11:59

Neste domingo faleceu o conhecido defensor do teísmo aberto Dr. Clark Pinnock. A notícia foi dada pelo colega dele, também teólogo relacional, Greg Boyd.

A morte de Pinnock foi comentada por um de seus ex-alunos, Dr. Russell Moore, deão da Escola de Teologia do Seminário Teológico Batista do Sul - uma das denominações mais conservadoras nos Estados Unidos. No início do artigo Moore diz que devemos agradecer a Deus por Pinnock ter influenciado positivamente, no início de sua carreira, vários pastores que hoje são conservadores. E então passa a relatar como Pinnock se desviou da doutrina da inerrância bíblica e passou a questionar praticamente todos os pontos centrais da fé cristã, os quais antes defendia ardorosamente.

Não pude deixar de ver a conexão clara que este ex-discípulo de Pinnock faz entre as posições finais de Pinnock quanto ao teísmo aberto e o seu abandono inicial e gradual da inerrância bíblica.

Transcrevo aqui partes do artigo de Moore em seu blog.

"Clark Pinnock conduziu-me à fé em Cristo. O Evangelho em que acreditei veio a mim através de pregadores que foram treinados por Clark Pinnock. Mais do que isto, a maior denominação evangélica nacional [os Batistas do Sul] nunca teria voltado atrás e adotado de novo a inerrância bíblica não fosse este homem, que mais tarde viria a rejeitar este conceito."

"Pinnock [quando era professor no Seminário Batista do Sul], preocupado que os Batistas do Sul, como outros Batistas antes deles, fossem para o deslize do liberalismo teológico, argumentou fortemente aos seus estudantes em prol da autenticidade completa das Sagradas Escrituras. Mais do que isto, ele apresentou uma narrativa abrangente da obra de Deus em Jesus Cristo de tal maneira a convencer muitos estudantes."

"Não consigo pensar em uma única pessoa que seja de importância crucial para o ressurgimento da influência conservadora na Convenção Batista do Sul que não esteja a dois passos da influência direta de Pinnock."

"Nos anos 1970, ele começou a questionar a sua compreensão prévia da inspiração bíblica... depois disto, começou a questionar a Grande Tradição da ortodoxia cristã, a cada ponto. Ele conduziu este movimento de vida curta em direção ao 'teísmo aberto,' questionando a crença da igreja histórica que Deus conhece todas as coisas, inclusive as futuras decisões livres de suas criaturas. Ele abandonou a sua crença que a fé consciente em Cristo é necessária para a salvação, e começou a ver o Espírito Santo em ação em outras religiões mundiais. Ele denunciou o conceito da punição eterna como cruel e contrário à natureza do Deus. Desvinculado da Sagrada Escritura e da tradição, Pinnock assumiu a vanguarda da inovação evangélica na doutrina, uma após a outra. Isto é lamentável."

Como vemos, neste artigo Russel Moore diz que devemos agradecer a Deus por ter usado Pinnock no início de sua vida acadêmica como instrumento na formação de tantos pastores que, como o próprio Russell, continuam acreditando hoje na inerrância da Bíblia e nas grandes doutrinas do Cristianismo histórico, e que são responsáveis por manter os Batistas do Sul na linha conservadora. Todavia, a marca que Pinnock vai deixar no campo teológico mundial será esta, de alguém que se afastou dos pontos centrais do Cristianismo evangélico e influenciou a muitos nesta mesma direção, inclusive aqui no Brasil.

Não pretendo discutir aqui o pedido do Russell. E nem a doutrina da perseverança final dos crentes.

Quero apenas mostrar aquilo que tantas vezes temos dito aqui: quando uma pessoa começa a questionar as doutrinas fundamentais da fé cristã é por que ela já rejeitou antes a autoridade e infalibilidade das Escrituras.

Por Augustus Nicodemus

veja também