"A justiça de Deus não deixará impune", diz deputado sobre manobras políticas

Sóstenes expressou sua indignação com a possível manobra política de Dilma, que nomeou o ex-presidente Lula para ministro da Casa Civil e chegou a se referir ao governo federal como uma "quadrilha".

Fonte: GuiameAtualizado: quinta-feira, 17 de março de 2016 12:14

Na última terça-feira (15), o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PSD - RJ) criticou a nomeação do ex-presidente Lula a ministro da Casa Civil e apontou a medida como uma estratégia da presidente Dilma para proteger o companheiro de partido das investigações da Lava Jato.

Ao receber o direito à Palavra no Plenário da Câmara, Sóstenes expressou sua indignação com a possível manobra política de Dilma e chegou a chamar o governo federal de "bandidos" e "quadrilheiros".

"Sou independente deste desgoverno. Tudo o que este desgoverno me solicitar, eu não atenderei, porque esse é um governo de quadrilheiros, de bandidos. Nosso país não pode se curvar a esta quadrilha que aí está", esbravejou.

"Eu quero dizer uma coisa aqui com toda autoridade: eu sei que a justiça da terra há de julgar estes bandidos, mas a justiça de Deus não deixará nenhum deles impunes... inclusive a mim, se cometer algum ilícito no meu mandato", disse.

Clique no vídeo abaixo para conferir:

Gravações
Na última quarta-feira, o juiz Sergio Moro decidiu quebrar o sigilo e divulgou ligações gravadas do telefone de Lula, que poderiam ajudar a comprovar que a nomeação do ex-presidente seria uma manobra concecer a ele, foro privilegiado nas investigações da Lava Jato.

Em uma das gravações, a presidente Dilma avisa ao colega de partido que está lhe enviando o termo de posse antecipadamente e que ele deveria guardar o documento e só usá-lo em caso de necessidade.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições