"As canções que eu escrevo não são apenas para pessoas cristãs", diz Jéfte Santos

O cantor disse em entrevista para o Guiame que as canções são inspiradas por Deus e por isso pode tocar as pessoas.

fonte: Guiame, Karlos Aires

Atualizado: Quinta-feira, 27 Julho de 2017 as 5:09

Jéfte relatou um caso onde soube que sua música foi tocada em uma reunião da maçonaria. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa).
Jéfte relatou um caso onde soube que sua música foi tocada em uma reunião da maçonaria. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa).

O cantor Jéfte Santos esteve em Fortaleza (CE) para divulgar seu disco na Expoevangélica 2017. “Ele Continua Sendo Deus” foi lançado pela Universal Music Christian Group nas plataformas digitais, que de acordo com o artista, está ganhando espaço entre os cristãos.

“Tem muito lugar que a gente chega e o pessoa ainda não conhece, mas já tem muita gente que aderiu e entrou nas plataformas digitais e até preferem porque tem como você montar sua própria playlist”, disse ele em entrevista exclusiva para o Portal Guiame.

“O meu CD é todo autoral. Deus me deu a graça de escrever essas canções. Eu lancei primeiro o single 'Ele continua sendo Deus' e foi bacana a repercussão. Agora lancei o CD completo”, explicou.

Jéfte ainda falou sobre como sua música tem alcançado vidas. “Eu sempre falo que a gente tem um projeto e a gente espera o sucesso daquele projeto, mas Deus sempre proporciona coisas maiores e melhores para a gente. Eu tenho muita resposta de gente que não é cristã e com o testemunho dessas músicas”, disse.

“As canções que eu escrevo não são apenas para as pessoas denominadas cristãs. Eu coloco histórias de vida que é a minha história. Então, isso acaba tocando uma pessoa que já passou ou que está passando por algo. Gera uma resposta na vida dela. Eu recebo muitos vídeos e testemunhos de pessoas falando isso”, pontuou o cantor.

Até na maçonaria

Jéfte relatou um caso onde soube que sua música foi tocada em uma reunião da maçonaria. “Eu tenho uns colegas da maçonaria e eles ouviram essa músicas, 'Como será o Amanhã'. Eles tocaram ela dentro da reunião e falaram: ‘Nós não gostamos de crente, mas essa letra tem falado muito com a gente’. Essa música fala sobre o amanhã, não se preocupar com o amanhã pois está nas mãos de Deus”, ressaltou.

Conversão

Apesar de ter “nascido na Igreja”, Jéfte teve seu primeiro encontro real com Deus aos 22 anos. “Meu pai e minha mãe são pastores, mas eu digo que eu me converti mesmo aos 22 anos. Eu sempre fui da igreja, mas eu ia porque o meu pai ia também. É aquela coisa, você vai na igreja hoje e amanhã você curte uma festa”, salientou.

“Mas, aos 22 anos eu tive um encontro com Deus e resolvi viver a Sua Palavra. Eu passei por uma situação na minha vida. Eu sempre tive muitas amizades e muitas pessoas loucas, gente que mexe com drogas. Aconteceu uma situação que a polícia veio e prendeu todo mundo”, revelou.

“Eu estava nesse meio e fui preso. Não tive como explicar nada e lá dentro da cadeia eu comecei a falar com Deus. 'Porque o Senhor não me livrou disso?' E ele me falou: 'Eu te livrei várias vezes. eu tentei te mostrar várias vezes, mas você estava entretido demais com as coisas lá de fora'. Então eu entendi que estava errado e que tinha de fazer uma aliança com o Senhor para nunca mais sair da presença Dele. Daí para frente as coisas começaram a acontecer na minha vida”, finalizou.

veja também