Inusitado: Cristiane Cardoso conta como a música surgiu em sua vida

Inusitado: Cristiane Cardoso conta como a música surgiu em sua vida

Atualizado: Quinta-feira, 28 Abril de 2011 as 10:27

Em entrevista à rede social Planet Universal, a escritora Cristiane Cardoso revela como surgiu a ideia de cantar a música "Ah, que dia".

De onde veio a inspiração para cantar?

Na verdade, a inspiração veio do meu pai. Eu o encontrei na África e ele me disse que tinha uma música para mim. Disse que tinha a letra, a melodia e que eu deveria unir as duas, para que nós pudéssemos cantar em um propósito especial que começaria em alguns dias. Então, foi assim que veio a inspiração, veio primeiro para meu pai e não para mim.

Qual foi a sua reação quando ele fez esse pedido?

Na hora, eu fiquei entorpecida. Mas quando acontece algo assim, pela fé, logo eu digo: “sim, claro, por que não?”. Aceitei, mesmo sem saber como seria e como eu faria isso, pois vocês sabem que eu não sou uma cantora.

Então por que ele te escolheu?

Esta é realmente uma boa pergunta. Eu não sei, mas eu acho que ele não queria um cantor profissional para cantar essa música. Não queria alguém que focasse em seu talento ou em quão bem cantaria. Pois, eu disse: “Pai, me desculpe, eu não sei cantar muito bem, posso lhe ajudar com a música”. Mas ele disse: “Não. Eu quero que você cante essa música”. Então, eu acho que ele queria alguém que realmente conhecesse aquilo que estava cantando, alguém que mostrasse o significado da música, que realmente sentisse o que estava cantando, no coração.

De quem foi a ideia de gravar a música em um estúdio profissional?

Bom, a primeira gravação foi apenas para entregar ao meu pai, já que ele havia pedido para unir a letra a melodia, eu trabalhei para unir tudo. Cantei, então, eu e o pastor Lucas gravamos, mas não pensei que o meu pai colocaria em todos os lugares a versão que eu cantei. Eu achei que apenas iríamos gravar a música para ele saber como seria e que depois ele passaria para outra pessoa cantar.

Você ficou nervosa com essa experiência?

Não, eu não fiquei nervosa. Por um instante, fiquei em choque, pois cantar não é o meu talento. Minutos antes da gravação, muita gente tentou me ensinar a cantar dizendo: “é assim que se canta” e “você só precisa fazer isso e isso”. Eu me senti um pouco oprimida com isso, porque eu não sou uma cantora, nunca pensei que iria cantar. Mas, agora que está feito, sinto-me aliviada porque acabou. Por isso, se me perguntar se vou cantar de novo, eu respondo que não, isto não vai acontecer (Risos).

 Inicialmente a letra era em português, depois ela foi traduzida para o espanhol e inglês. Qual delas foi mais desafiadora para você?

Todas elas foram desafiadoras, mas eu acho que a versão em espanhol foi mais difícil de cantar, por conta do idioma, pois não me sinto muito confortável falando espanhol.

Fale mais a respeito do clipe da música.

Meu marido queria um videoclipe, mas eu não queria um clipe apenas comigo cantando. Toda vez que eu canto, sinto como se estivesse dançando na presença de Deus e eu queria transmitir isso. Então, coloquei uma bailarina dançando na praia, pois é assim que eu me sinto: na praia, dançando e feliz, porque finalmente encontrei o amor da minha vida.

Você imaginou que a canção gravada seria ouvida no mundo todo?

Não! Nunca. Nunca imaginei, eu não me considero uma cantora.

Se no passado alguém lhe dissesse que você um dia iria cantar, como reagiria?

Embora a ideia de cantar nunca tivesse passado pela minha cabeça, eu acreditaria, porque creio que Deus pode fazer muito através de nós, até coisas que nunca pensamos que poderíamos fazer.

Você gosta de cantar?

Eu gosto de cantar em karaokê (Risos), não em público, apenas entre amigos, em um ambiente bem descontraído, porque, repito, eu não me considero uma boa cantora. Mesmo tendo tocado teclado na igreja por muito tempo, eu nunca cantei, nunca fiz isso.

Quando você aprendeu a tocar teclado?

Por volta dos 11 anos, meu pai me pediu para que eu aprendesse a tocar piano, pois era um instrumento que ele amava e não podia tocar, por causa do problema que tem nas mãos. Ele me disse: “por que você não aprende a tocar piano? Talvez um dia você possa tocar para mim na igreja”. E eu gostei da ideia de tocar para ele na igreja, então aprendi, não por gostar, mas para ajudar meu pai e tocar para ele.

Eu lembro que toda vez que eu tocava o piano em casa, ele ficava tão feliz, que vinha e me dava um beijo, então isso me fez gostar e querer tocar cada vez mais.

Qual a importância da música na Obra de Deus?

Eu acho importante, mas não é a coisa mais importante. Acredito que as pessoas não deveriam depender de um fundo musical para falar com Deus ou para estar na presença Dele. Não acho que a música seja tão importante a ponto de ter que ouvir o dia todo. Mas é boa, às vezes, quando você não sabe como se expressar. Quando você está orando a Deus e não sabe como falar, não tem palavras, a música vem e fala muito. Às vezes, não é nem a letra da música, mas a melodia que expressa como você está se sentindo. Nesse aspecto é bom, não é o mais importante, mas é bom.

Você acha que a música pode ser perigosa?

Tanto a música como a arte em geral, que lidam com as emoções, são perigosas se você não tem um equilíbrio. Nesse caso, a música pode lhe afastar de Deus, pois faz com que você fique muito emocional, dê atenção aos problemas e o impeça de usar a fé.

Algumas canções deixam as pessoas tristes, por isso é necessário o equilíbrio. Por exemplo, quando eu fico triste, não escuto música. Se estou enfrentando um problema muito difícil, não ouço música, pois quando faço nessas situações, as coisas só pioram. Nesses momentos, uso a minha fé.

Agora que você tem uma experiência como cantora, que dicas você daria para quem está começando a cantar também?

Acredito que não é preciso estar focada em como cantar, mas, sim, em fazer isso para Deus. Quando você faz algo para Deus e faz pela fé, Deus pode te usar, não apenas em seu relacionamento com Ele, mas também com outras pessoas, pois muitos têm tido experiências com Deus através desta música, ouvindo a voz de alguém que nem sabia cantar.

Isso mostra que não é a voz, nem o talento, mas, sim, o significado. É fazer isso para Deus e não para você mesmo, nem para que alguém aprecie ou por dinheiro. Pois, você não pode glorificar a Deus por razões pessoais, você deve glorificar a Deus por Ele, não por você. Então, faça para Ele e será bom. Qualquer talento que você está tentando construir, seja tocando teclado na igreja ou cantando, saiba que, se você fizer isto para Deus, não será preciso se preocupar com o que as pessoas vão dizer, nem com o que o pastor irá pensar. Você pode cometer erros - este é o processo de aprendizagem - apenas tenha foco, persevere e Deus te usará.

veja também