MENU

Autazes, no Amazonas, forma 1ª turma indígena de técnicos em enfermagem

Autazes, no Amazonas, forma 1ª turma indígena de técnicos em enfermagem

Atualizado: Quarta-feira, 3 Fevereiro de 2010 as 12

Edna Maciel tem 40 anos e concluiu o primeiro curso técnico de sua vida recentemente. Ela fez parte da primeira turma composta apenas por indígenas a concluir essa especialização no Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), no município de Autazes, a cerca de 200 quilômetros de Manaus.

O grupo de 28 índios se formou em dezembro passado. O curso, que teve duração de um ano e oito meses, foi promovido pelo governo estadual e autorizado e regulamentado pelo Ministério da Educação (MEC).

Para Edna, apesar do avanço, a vontade de estudar não para nessa etapa. "Ganhei experiência no hospital municipal, onde trabalhei no ano passado, e pretendo fazer especialização em obstetrícia e atendimento de emergência", conta. Ela diz que tem como objetivo, nesse momento, prestar serviços no pólo de atendimento da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) na cidade.

Os outros formandos da turma têm a mesma ambição, de continuar estudando, conta José Almir, coordenador geral do Conselho Indígena de Autazes. De acordo com ele, a maior parte está prestando serviços em suas comunidades e apenas um está empregado atualmente. Embora o preparo técnico represente um passo a mais para a melhoria do atendimento à saúde nas comunidades indígenas locais, diz Almir, há falta de remédios e de estrutura nas aldeias.

"Haverá uma reunião em breve entre lideranças indígenas e governantes locais para discutir pendências em relação a essa questão", comenta o coordenador do Conselho. "Inclusive, para que haja incentivo ao estudo de futuras turmas, a estrutura é um ponto a ser melhorado".

Além dos técnicos em enfermagem, outro grupo de indígenas deve se formar, dessa vez no curso técnico em saúde bucal, em março deste ano, também ministrado no Cetam. De acordo com a instituição, os 33 formandos poderão atuar em conjunto com dentistas da Funasa no atendimento dos povos indígenas em mais de cinco municípios do estado.

Por: Érica Polo

veja também