MENU

Brasil e Paraguai se unem pela educação de presidiários

Brasil e Paraguai se unem pela educação de presidiários

Atualizado: Quinta-feira, 30 Outubro de 2008 as 12

Cerca de 75% da população de presos do Brasil é formada por jovens de 18 a 24 anos. Dos que saem dos presídios, 80% reincidem no crime. Na visão de especialistas, o resgate desse contingente de jovens passa necessariamente pela elevação da escolarização. Desde segunda-feira, 27 de outubro, representantes dos Ministérios da Educação e da Justiça do Brasil, do Instituto para o Desenvolvimento Inovação Educativa do Paraguai e da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) estão reunidos para trocar experiências e levantar alternativas para levar educação de qualidade às prisões. O debate ocorre no âmbito da reunião técnica Educação em prisões – Brasil/Paraguai, que vai até o próximo sábado,1º de novembro.

Embora privados da liberdade, os detentos continuam tendo direito à educação como qualquer outro cidadão brasileiro. A concretização dessa demanda, entretanto, é um desafio tanto no Brasil quanto no Paraguai. “Acho interessante que esses dois países com histórico de violação dos direitos humanos se unam em torno dessa agenda de educação”, destacou o secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação (Secad), André Lázaro.

Nesta quarta-feira, 29 de outubro, os especialistas foram ao Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia, na capital do estado de Goiás. “Acredito que a experiência desenvolvida nesse presídio seja uma boa oportunidade para a troca de experiências e formação dos gestores, tanto do Brasil quanto do Paraguai”, esclareceu Lázaro. A intenção da reunião é possibilitar a troca de experiências  e a cooperação entre os dois países.

veja também