MENU

Criança que pega coisas de amigos tenta suprir carência

Criança que pega coisas de amigos tenta suprir carência

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2011 as 10:34

Um fato que acontece com certa frequência nas escolas é as crianças pegarem coisas que não são suas. Volta e meia, elas aparecem em casa com algo diferente. Justificam dizendo que pegaram emprestado do amigo. Sem que muitas vezes ele saiba do empréstimo.

O contrário também ocorre e chegam com o material desfalcado. Nem sempre têm certeza do que aconteceu. Às vezes está com o amigo, que também se esqueceu de dizer que pegou emprestado.

É certo que as crianças costumam trocar coisas entre si em comum acordo, o que não é do agrado dos pais. Eles ficam meio confusos se as crianças realmente trocaram ou simplesmente pegaram do amigo.

Quando são bem pequenas, guiadas pelo desejo, elas podem pegar coisas afirmando serem suas. Numa época em que ainda não conseguem discernir bem o que é seu e o que é do outro – o eu e o outro. Ela encontra algo e toma posse.

O que não significa que esta criança tenha tendência a roubar. É um aprendizado que está relacionado com seu desenvolvimento psíquico, experiências e orientações.

Aprendemos que não devemos pegar coisas que não são nossas. Quando acontece da criança chegar com algo que não é seu, ninguém precisa se desesperar. É preciso ensinar-lhe que não se deve fazer isso e orientá-la para que devolva o objeto. De preferência, ajudando-a a se colocar no lugar do outro, de como ela se sentiria se alguma criança ficasse com seu brinquedo, por exemplo.

No entanto, às vezes vemos crianças que extrapolam. Vão além de pegar emprestado um objeto sem que o amigo saiba. Pegam as coisas e as escondem, numa clara evidência de que sabem que aquilo não é correto. O que deixa a todos muito preocupados. Será um futuro marginal? Mas por que se ele tem tudo?

Nunca se possui tudo

As pessoas confundem o ter tudo material com o ter tudo. Para começar, nunca se possui tudo (e não me refiro às coisas materiais), tem sempre algo faltando. A falta é importante, impulsiona o indivíduo para ir em frente.

Às vezes, porém, faltam coisas muito mais preciosas do que aquela boneca que acabou de ser lançada ou o carrinho que só se encontra no exterior – e que o papai trouxe em sua última viagem.     Pode-se pensar que a criança que pega coisas, e que já tem a consciência de que esse ato não é correto, está buscando algo que ainda não sabe o que é. Tenta suprir uma carência, uma falta, uma ausência.

Com esse delito, sinaliza que as coisas não vão bem. E que precisa de ajuda. Ela própria não entende. O que ela compreende é que aquele objeto, que muitas vezes não tem um valor monetário significativo e do qual ela tem muitos parecidos (e por vezes mais bonitos), é muito necessário. Imprescindível. Parece carregado de algo que precisa. Mas é pura ilusão. Por ser uma ilusão, sua satisfação é momentânea e o ato tende a ser repetido.

É necessário ajudar essa criança para que ela possa compreender e dizer o que não vai bem com ela. Do que realmente precisa.

Na maioria das vezes não é algo difícil dos pais providenciarem, embora muitos tenham que aprender como fazê-lo. Seja sua atenção, seu carinho, um gesto de amor. Não se encontra numa loja ou num free shop . É algo que precisam desenvolver – amar seus filhos e estar próximos deles.

Claro que o ato em si deve ser reprimido. Ninguém deve sair por aí pegando coisas que não são suas, mas o mais importante é entendê-lo como um sinal de que as coisas não vão bem. Assim como as escolas devem ter uma compreensão que vá além do fato em si. Deste modo, pode-se ajudar essas crianças a serem mais felizes e a saberem do que realmente precisam. Sem ter que pegar nada do outro.

(Ana Cássia Maturano é psicóloga e psicopedagoga)            

veja também