MENU

"Ele não parava de falar sobre a USP", diz madrasta de calouro

"Ele não parava de falar sobre a USP", diz madrasta de calouro

Atualizado: Sexta-feira, 25 Fevereiro de 2011 as 8:53

O estudante Leonardo Araújo dos Anjos, de 19 anos, havia acabado de alcançar um de seus maiores sonhos na segunda: começar o curso de economia na Universidade de São Paulo (USP). O jovem, porém, morreu atropelado na madrugada do dia seguinte, na Rodovia Raposo Tavares. Seus parentes acreditam que ele tenha participado de uma cervejada com veteranos.

Empenhado, Leonardo estudou quase que diariamente durante os dois últimos anos para entrar na faculdade pública. “Ele cursou o ensino médio em uma escola um pouco fraca. Então, se dedicou bastante em um cursinho”, afirmou sua madrasta, a gerente de atendimento Maria Ângela de Lima, de 48 anos.

“Ele estava feliz. Não parava de falar sobre a USP”, disse a mulher. A fotografia que ilustra essa reportagem, enviada por Maria nesta quinta-feira (24), é uma das últimas tiradas de Leonardo.

Mesmo após passar na segunda fase do disputado vestibular da Fuvest, o jovem não deixava de se dedicar à leitura. “Até no último fim de semana, quando já estava com o cabelo raspado, ele continuava estudando.”

O clima de alegria havia se espalhado pela família de Leonardo. A felicidade foi abruptamente encerrada com a notícia do acidente. “Nos ligaram de madrugada dizendo que ele tinha falecido.”

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o jovem foi atropelado por volta da 0h30. Equipes que foram ao km 13 da Raposo Tavares encontraram o estudante já sem vida. A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso, registrado como homicídio culposo [sem intenção] no 51º Distrito Policial, no Butantã.

Segundo a Polícia Civil, o motorista que atropelou o estudante parou para socorrer a vítima. Ele contou à polícia que passava pela faixa da esquerda, no sentido interior, quando notou o pedestre, desviou para a direita, mas não conseguiu evitar o atropelamento. “O motorista nos ligou. Ele está bem abalado. Queria até nos encontrar pessoalmente”, afirmou Maria.

A madrasta disse que irá investigar o que aconteceu. “Vou até o fim. Ele não bebia. Quero saber se ele foi forçado a ingerir bebida e quero saber o que ele fazia lá na estrada naquele horário”, disse. O pai de Leonardo, Miguel dos Anjos, de 59 anos, não estava em condições emocionais para falar sobre o acidente. O corpo do jovem foi enterrado na quarta, no Cemitério São Paulo.

Por Paulo Toledo Piza

veja também