MENU

Erro no cartão de respostas não prejudicou a prova, dizem estudantes do DF e de SP

Erro no cartão de respostas não prejudicou a prova, dizem estudantes do DF e de SP

Atualizado: Segunda-feira, 8 Novembro de 2010 as 9:36

O erro no cabeçalho da folha de respostas não prejudicou alunos inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ouvidos pela Agência Brasil no Distrito Federal e em São Paulo. De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), havia um erro no cabeçalho: apesar de a numeração no gabarito estar correta, o nome das provas do dia – ciências da natureza e ciências humanas – estava trocado.

No Colégio Sigma, um dos maiores locais de aplicação do Enem no DF, os estudantes disseram que foram orientados a marcar o gabarito na folha de respostas seguindo a ordem numérica das questões. Segundo eles, o problema não causou tumulto ou atraso no início do exame.

A prova de hoje tinha 90 questões: 45 de ciências humanas, numeradas de 1 a 45, e mais 45 de ciências da natureza, numeradas de 46 a 90. Na folha de resposta, os cabeçalhos das provas estavam trocados: as questões de 1 a 45 eram identificadas como ciências da natureza e de 46 a 90 como ciências humanas.

Em São Paulo, Eduardo Ruggiero, de 17 anos, disse que a prova não estava difícil e que foi orientado pelo fiscal sobre a marcação da folha de respostas. "No geral, não foi uma prova difícil", comentou Ruggiero. "Eles [fiscais] nos recomendaram para que colocássemos as respostas certas no gabarito, com o número das questões e as letras correspondentes e para que tivéssemos bastante cuidado para não nos confundirmos. Isso não me atrapalhou, mas acho que uma pessoa desatenta pode acabar errando."

Já Anderson Queiroz, de 33 anos, que pretende tentar uma bolsa no Programa Universidade para Todos (ProUni), se disse confiante e considerou as quatro horas e meia de prova tempo suficiente. Ele também confirmou o erro na folha de respostas. "Acho que isso não atrapalhou em nada", ponderou.

Para a candidata Carolina Farah, a prova foi cansativa. "Acho que amanhã também não vai estar difícil", disse a estudante, confirmando ter sido avisada do erro no gabarito e devidamente orientada. "Teve gente que ficou meio brava, porque já haviam passado algumas respostas para a folha."

Por: Amanda Cieglinski e Alex Rodrigues

veja também