MENU

Intelectuais querem criar "Tribunal de Contas da Educação" para fiscalizar ensino

Intelectuais querem criar "Tribunal de Contas da Educação" para fiscalizar ensino

Atualizado: Terça-feira, 17 Novembro de 2009 as 12

Intelectuais firmaram um acordo em reunião na UnB (Universidade de Brasília) para pressionar o governo por mais investimentos na educação básica. Entre os projetos do movimento Educação Urgente está a criação do "TCU da Educação", para fiscalizar as políticas públicas no ensino. O nome faz alusão ao Tribunal de Contas da União - que monitora as ações do Executivo no país.

A proposta foi lançada na última sexta-feira (13). A reunião contou com representantes da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), parlamentares ligados à educação, como Cristovam Buarque (PDT-SP), e a cúpula do corpo de professores da UnB.

Um documento com novas diretrizes para melhorar a educação, propostas de mudanças no ensino e um cronograma de implantação será entrege oficialmente ao governo federal no primeiro semestre de 2010.

Isaac Roitman, coordenador da SBPC e professor titular da UnB, informou que o movimento de intelectuais criará indicadores próprios para avaliar a qualidade da educação brasileira, como maneira de estabelecer um órgão fiscalizador autônomo em relação ao governo.

''Nós seremos o TCU da Educação. Nossa educação tem pedagogia inadequada, conteúdo ultrapassado e agora um novo elemento, que é a violência nas escolas''.

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) afirmou que falta preocupação com a educação básica no país. De acordo com ele, até mesmo os pais que podem pagar escola particular para os filhos não estão livres das mazelas da má qualidade da educação, pois a falta de acesso ao ensino cria uma cultura que associa a escolaridade ao mercado de trabalho.

A mercantilização do ensino apaga o fator de construção da personalidade da criança da educação, diz o senador:

''O pai paga a escola particular porque pensa no futuro salário do filho. Quando o filho diz que vai ser filósofo ou professor, o pai fica chateado''.

veja também