MENU

MEC não confirma rompimento com consórcio responsável pelo Enem

MEC não confirma rompimento com consórcio responsável pelo Enem

Atualizado: Segunda-feira, 5 Outubro de 2009 as 12

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Reynaldo Fernandes, não confirmou sábado, 3 de outubro, que o Ministério da Educação (MEC) tenha rompido com o Consórcio Nacional de Avaliação e Seleção (Connasel), responsável pela realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No entanto, ele não descartou a possibilidade de o ministério assumir a responsabilidade de aplicar a prova.

"Estamos vendo todas as possibilidades de tocar a logística com eles e sem eles. Hoje, 5 de outubro, ou amanhã, dia 6, isso tudo deve estar definido. Todas as alternativas estão sendo analisadas", afirmou Fernandes.

Ele informou que, nas reuniões realizadas nos últimos dois dias, todas as etapas da realização Enem, desde a elaboração da prova, montagem dos cadernos e a impressão na gráfica, foram revistos.

"Ontem e hoje [2 e 3 de outubro] repassamos todo o processo da prova. Esses passos foram revistos e pensamos formas de como reforçar a segurança de todos os procedimentos e já temos bastante clareza do que temos que fazer agora", afirmou Fernandes após reunião com o ministro da Educação, Fernando Haddad.

O MEC decidiu cancelar a realização do Enem na última quinta-feira, 1º de outubro, após duas pessoas tentarem negociar a venda da prova, em São Paulo. Cerca de 4,1 milhões de candidatos eram esperados para o exame. As provas seriam aplicadas dias 3 e 4 em 113.857 salas de 10.385 escolas diferentes.

A partir deste ano, o Enem é requisito para a entrada em pelo menos 40 universidades federais, além de ser necessário para quem disputa uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni).

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Reynaldo Fernandes, não confirmou sábado, 3 de outubro, que o Ministério da Educação (MEC) tenha rompido com o Consórcio Nacional de Avaliação e Seleção (Connasel), responsável pela realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No entanto, ele não descartou a possibilidade de o ministério assumir a responsabilidade de aplicar a prova.

"Estamos vendo todas as possibilidades de tocar a logística com eles e sem eles. Hoje, 5 de outubro, ou amanhã, dia 6, isso tudo deve estar definido. Todas as alternativas estão sendo analisadas", afirmou Fernandes.

Ele informou que, nas reuniões realizadas nos últimos dois dias, todas as etapas da realização Enem, desde a elaboração da prova, montagem dos cadernos e a impressão na gráfica, foram revistos.

"Ontem e hoje [2 e 3 de outubro] repassamos todo o processo da prova. Esses passos foram revistos e pensamos formas de como reforçar a segurança de todos os procedimentos e já temos bastante clareza do que temos que fazer agora", afirmou Fernandes após reunião com o ministro da Educação, Fernando Haddad.

O MEC decidiu cancelar a realização do Enem na última quinta-feira, 1º de outubro, após duas pessoas tentarem negociar a venda da prova, em São Paulo. Cerca de 4,1 milhões de candidatos eram esperados para o exame. As provas seriam aplicadas dias 3 e 4 em 113.857 salas de 10.385 escolas diferentes.

A partir deste ano, o Enem é requisito para a entrada em pelo menos 40 universidades federais, além de ser necessário para quem disputa uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni).

veja também