MENU

Na era digital, jovens voltam às aulas de caligrafia para escrever

Na era digital, jovens voltam às aulas de caligrafia para escrever

Atualizado: Terça-feira, 8 Fevereiro de 2011 as 11:52

Os jovens que não desgrudam de computadores e celulares estão perdendo um hábito antigo: usar a caneta e o papel pra se comunicar. O resultado é que está cada vez mais difícil decifrar o que eles escrevem.

Foram dois meses longe da caneta, só no computador. Mas, as férias acabaram. Saíram os computadores e entraram os cadernos, uma tortura para Jonathan.

"A professora escreve muito rápido, aí eu perdia. Para acompanhar, tinha que escrever muito rápido, minha letra saia muito ruim", lembrou.

A solução foi permitir que as explicações de história e português fossem anotadas no computador.

Na escola, o uso do computador só foi liberado para aqueles alunos que têm dificuldades com a escrita. Mas isso não significa que eles estejam livres da caligrafia. Tudo que eles digitam tem que ser repassado em casa para o caderno.

Um treino forçado que está dando certo. "Até eu entendo agora!", contou Jonathan.

"O aluno tem que escrever uma produção escrita, fazer uma redação escrita em um vestibular, em um concurso. E a letra legível faz com que o leitor entenda e compreenda", explicou a coordenadora pedagógica Lígia Fleury.

Agora, por que alguns jovens escrevem tão mal? As desculpas são variadas... "Eu acho que é porque minha mãe tem uma letra muito feia e é genético, pode ser", brincou o estudante Bruno Marienberg.

Não é uma questão genética. O professor de caligrafia Antonio de Franco ensina que basta concentração e treino. "Temos muitos alunos na faixa dos 15 aos 17 anos, principalmente que estão entrando nessa fase de vestibular, como também temos muitos alunos dedicados à parte de concursos públicos", disse.

A professora de comunicação da USP Elizabete Saad Correa diz que as escolas não devem fechar os olhos para o mundo digital. "Você tem uma tendência a usar muito mais o teclado do que o texto escrito no papel. Se você não treinar a escrita em papel, realmente você vai perder a prática até de segurar uma caneta", destacou.

Preocupado com isso. Paulo César está frequentando aulas de caligrafia. Quer ter moral para cobrar da filha de 10 anos um bom desempenho. "Nada melhor do que você chegar com o exemplo. Como é que eu posso cobrar hoje se a minha letra é horrorosa?", disse.

veja também