MENU

Novo índice do MEC aponta Unifesp como a melhor universidade federal

Novo índice do MEC aponta Unifesp como a melhor universidade federal

Atualizado: Terça-feira, 9 Setembro de 2008 as 12

A partir do dia oito de setembro, os brasileiros podem fazer suas escolhas com relação a instituições de ensino superior a partir de um indicador que aponta a qualidade: o Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC). Lançado pelo Ministério da Educação (MEC), o índice sintetiza, em notas de 1 a 5, a qualidade de todos os cursos, distribuídos em todos os campi e municípios em que atua. A avaliação foi feita em 78,8% das instituições do país.

São levados em consideração conceitos para a graduação, como o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e as chamadas "variáveis de insumo", que consideram corpo docente (mensurando, por exemplo, o número de professores com doutorado), a infra-estrutura e o programa pedagógico. Além desses dados, também entra na média estabelecida pelo índice o conceito fixado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para a pós-graduação.

O resultado final, em valores contínuos, vão de 0 a 500. A Escola Brasileira de Economia e Finanças (Ebef), instituição particular localizada no Rio de Janeiro, recebeu a maior nota: 483. Entre as universidades federais, a que ficou melhor classificada foi a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com nota 439. Na distribuição por faixas, ambas ficaram com 5 ? a faixa 1 é atribuída às instituições que tiveram notas de 0-94; a 2, de 95-194; a 3, de 195-294; a 4, de 295-394 e a 5, de 395-500.

Agora, os dados servirão de base para o recadastramento das instituições, que deve ocorrer nos próximos 12 meses. Segundo o ministro da Educação, Fernando Haddad, se os especialistas constatarem que os problemas encontrados em  instituições mal-avaliadas não têm solução, muitas delas podem ser descredenciadas.

"Se os especialistas do Ministério da Educação fizerem um diagnóstico de que aquela instituição apresenta dificuldades, das duas, uma: ou sela um termo de compromisso de saneamento de deficiência, que pode implicar na contratação de mais doutores, mudança de regime de trabalho dos docentes, investimento em infra-estrutura, ou, no limite, a perda de prerrogativas de autonomia da instituição ou até o descredenciamento", disse.

Entre as universidades federais, a única a receber conceito 2 foi a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), que ficou com 176 pontos. O ministro Haddad atribuiu o problema ao pouco tempo em que a universidade foi emancipada ? era um campus da Universidade Federal da Bahia (UFBA) ? e que, neste caso, o índice constatou a necessidade de mais investimentos.

veja também