MENU

Pai de aluno que faltar à aula no interior de SP receberá mensagem no celular

Pai de aluno que faltar à aula no interior de SP receberá mensagem no celular

Atualizado: Quarta-feira, 2 Dezembro de 2009 as 12

Nada de algazarra no início das aulas enquanto o professor faz a chamada para conferir quem faltou. O controle de presença dos alunos na Escola Estadual Osvaldo Martins, em Osvaldo Cruz (SP), é feito pela digital do estudante, que pressiona o dedo num leitor biométrico quando chega ao colégio. A partir do início do próximo ano letivo, os pais passarão a receber também mensagens no celular toda vez que o filho cabular aula.

A ideia é diminuir ainda mais o índice de faltas na escola, que é baixo, segundo o diretor da escola, Sidney Zenaro, 51 anos. Dos cerca de 650 estudantes, matriculados do 6º ano do ensino fundamental até o terceiro ano do ensino médio, há, normalmente, 30 ausentes por dia.

''Quando eu assumi a direção da escola, em 2002, havia 239 alunos. Diariamente, 40% faltavam. Eles saiam de casa com o material e não entravam na escola'', lembra Zenaro. ''Em 2003, tive uma ideia e adotamos um cartão magnético, o que já ajudou a reduzir o índice de ausência''.

No entanto, Zenaro conta que muitas crianças esqueciam o cartão em casa. ''Precisávamos aprimorar e, por isso, o controle mudou para a digital em fevereiro deste ano''. Os dados do leitor biométrico são passados para o computador e uma lista com os alunos presentes e ausentes é levada para os professores de cada classe conferirem. ?Contratei uma empresa que desenvolveu um software específico. É algo muito simples, na verdade''.

O custo de implantação, que inclui a compra de relógios para colher as digitais e o software, ficou em torno de R$ 10 mil, de acordo com Zenaro. ''É um custo viável para a escola, porque não há despesas extras depois. Compensa muito'', afirma.

Os pais recebiam por carta o aviso da falta do filho. A partir do ano que vem, os dados com os presentes e ausentes serão passados para a internet, de onde será feito o envio das mensagens para os celulares. O diretor da escola acredita na eficácia da medida. ''Fizemos uma pesquisa entre os pais e constatamos que 93% tinham celular. Vamos mandar mensagens para todos os que tiverem nos autorizado. O pai saberá imediatamente o que acontece com o seu filho''.

Zenaro conta que essas medidas ajudaram a estimular a participação dos pais nos estudos dos filhos. ''Na primeira reunião de pais que fizemos, em 2002, quando havia 239 alunos, somente 9 pais foram ao encontro. Foi a maior decepção. Mas, na última reunião que fizemos neste ano, 430 pais e mães estiveram presentes. É muita gente''.

Mais aula

Outro benefício com a implantação do sistema eletrônico é o ganho de tempo na aula, na opinião de Zenaro. ''Os professores perdiam quase dez minutos em todo início de aula para fazer a chamada. Virava uma bagunça''.

Zenaro chegou a fazer o cálculo do tempo perdido: os dez minutos do início de cada uma das seis aulas somavam quase uma hora diária. Multiplicada por 200 dias letivos, eram 200 horas por ano a menos de matéria dada. Nos sete anos que o aluno estudasse naquela escola (que vai do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio), seriam 1.400 horas no total. ''É muita hora de aula jogada fora''.

veja também