MENU

Pais acusam médico de abusar sexualmente de seus filhos em escola de Itacoatiara

Pais acusam médico de abusar sexualmente de seus filhos em escola de Itacoatiara

Atualizado: Quinta-feira, 19 Maio de 2011 as 4:39

Um ano depois de ter sido denunciado junto ao Conselho Tutelar do Município de Itacoatiara, o caso das crianças que teriam sido abusadas durante uma consulta médica realizada na Escola Municipal Jamel Amed, ainda continua com o acusado sem punição.

Nesta quarta-feira (18), no Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, o vigilante Marcos*, pai de uma das vítimas, informou à reportagem de A CRÍTICA que até agora nenhuma punição foi aplicada ao agressor, que continua atendendo na cidade.

Segundo ele, o caso foi denunciado no dia em que ocorreu (15 de junho do ano passado) tanto para o Conselho Tutelar quanto para a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente no município.

O vigilante conta que a filha, então com oito anos, era aluna da Escola Jamel Amed, que fica no Centro de Itacoatiara.

O médico, segundo o pai, obteve autorização da direção do estabelecimento de ensino para realizar consultas aos alunos através do Programa Médico da Escola, da Secretaria de Educação do Município.

"Uma equipe foi até a escola para fazer a triagem dos alunos e marcar data para a realização das consultas das crianças, mas acabou decidindo realizar os exames no mesmo dia", relata Marcos.

Segundo ele, apesar de o diretor explicar à equipe que não poderia liberar as crianças naquela data, as consultas acabaram acontecendo sem o conhecimento dos pais.

O vigilante relata que as crianças foram colocadas na biblioteca da escola. "Na vez da minha filha, o médico pediu para ela tirar a roupa e ela não quis. Ele então levantou a blusa da menina e passou a alisar a barriga e parte dos seios", relata.

Em outros dois casos, as crianças relataram ao vigilante que durante o exame do médico, além de ter alisado o corpo das vítimas, ele teria introduzido o dedo no ânus das mesmas para verificar a existência de coceiras.

"Minha filha está traumatizada e agora tem medo de entrar em um consultório médico", afirma Marcos, admitindo que tentou localizar outros pais de crianças alunas da escola para que também denunciassem o acusado. Atualmente, a filha do vigilante Marcos não estuda mais na escola.

O vigilante informou que também responde a um processo por agressão contra o médico. "Fiquei revoltado e fui até o consultório dele, no Centro, para tirar satisfação, um dia após a denúncia", afirmou.

*Nome fictício, conforme recomenda o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Caminhada e ato em Novo Remanso

Uma caminhada pelas principais ruas da cidade marcou nesta quarta (18) a passagem do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em Itacoatiara. O Conselho Tutelar do município informou que nesta quinta-feira (19) realizará outro ato no distrito Novo Remanso.

Primeira audiência será no dia 25

O Conselho Tutelar do Município de Itacoatiara informou ontem que o caso de abuso envolvendo um médico que atua na cidade e crianças alunas da Escola Municipal Jamel Amed aguarda apenas um posicionamento da Justiça.

"O caso foi alvo de todos os procedimentos da parte do conselho tutelar e da delegacia especializada. O processo foi instaurado na delegacia e encaminhado à Justiça, a quem caberá agora realizar as audiências", afirmou o vice-presidente do conselho, Evandro Júnior.

A primeira audiência do caso será realizada no próximo dia 25 deste mês.

"Infelizmente, o acúmulo de processos torna o trabalho da Justiça lento, mas o importante é que todos os passos foram cumpridos", afirma.

O conselheiro explica que o município é um dos que registram os maiores indices de denúncias de violência, maus tratos e abuso sexual contra crianças e adolescentes no Estado.

"Temos apenas um conselho para cobrir todo o município, mas a prefeitura já estuda a possibilidade de criação de mais um conselho tutelar, por conta da grande demanda", afirma Evandro.

Segundo ele, o caso das crianças que teriam sido vítimas de abuso teve grande repercussão na cidade.

veja também