MENU

Pais denunciam professor por ofensa no interior de SP

Pais denunciam professor por ofensa no interior de SP

Atualizado: Terça-feira, 15 Junho de 2010 as 8:46

A família de uma estudante de 15 anos denunciou um professor da Escola Estadual Genésio Machado, de Sorocaba, no interior de São Paulo, pela prática de violência verbal e intimidação contra a aluna. De acordo com a mãe da garota, Viviane Aparecida Barbieri Vicentini, durante uma aula, no início do ano, o professor ofendeu a menina, referindo-se a ela como ''songamonga'' e ''morta''. Como a aluna reclamou do tratamento, passou a ser perseguida pelo professor.

Viviane e o marido, que é professor da rede estadual, procuraram a direção da escola. Segundo a dona de casa, a opção oferecida foi de transferência para outra classe, mas ela não concordou. ''Não queria que minha filha fosse transferida para uma turma mais fraca.'' De acordo com os pais, não havia registro de advertência contra a aluna na diretoria. Mesmo assim, no boletim referente ao primeiro bimestre, a aluna teve falta nas 51 aulas da disciplina do professor e zerou todas as notas. ''Interessante que em outras disciplinas ela teve presença e recebeu notas'', disse a mãe.

Segundo os pais, em decorrência do episódio, a garota passa por tratamento psicológico. Eles procuraram a Polícia Civil e registraram uma ocorrência para preservação de direitos. Em seguida, transferiram a adolescente para outra escola, mas decidiram processar o professor e o estado. ''A direção queria que minha filha saísse da escola em vez de resolver o caso com o professor. Vamos entrar com o processo para que não aconteça com outras pessoas.''

Procurados, o professor e a diretora da escola alegaram que o caso estava sendo avaliado pela Secretaria de Estado de Educação e eles não estavam autorizados a se manifestar. A assessoria de imprensa da secretaria informou que a diretoria de ensino de Sorocaba já tem uma apuração preliminar do caso em andamento e, havendo culpados, os responsáveis serão punidos.

Um professor da escola, que não quis se identificar, defendeu o colega que, segundo ele, é um professor rígido, mas incapaz de ofender um aluno. Os pais da menina disseram ter testemunhas de que o professor tratava a aluna usando termos pejorativos e implicava com ela.

veja também