MENU

Para coordenador, escolas regulares e especiais podem ser iguais

Para coordenador, escolas regulares e especiais podem ser iguais

Atualizado: Segunda-feira, 30 Maio de 2011 as 1:29

Fundada em 1829, a Perkins School for the Blind, sediada na cidade de Watertown, em Massachusetts, é a primeira escola para cegos dos Estados Unidos. Ao longo de sua experiência de mais de cem anos na inclusão social de crianças, jovens e adultos cegos, a escola especializou-se também na inclusão de surdos, surdocegos, pessoas com baixa visão e pessoas com outras deficiências associadas. Em 1987, a instituição internacionalizou seu programa de formação de líderes, que busca capacitar educadores e professores para a educação especial.

Atualmente, por meio desse programa, a instituição ajuda na inclusão de pessoas com deficiência múltipla em 63 países, entre eles o Brasil, fornecendo apoio financeiro e consultoria técnica aos seus parceiros locais. Em 2010, a Perkins Internacional injetou mais de US$ 70 mil em programas de capacitação. O coordenador dos projetos da Perkins Internacional conduzidos na América Latina, Steve Perreault, conversou por e-mail com a Folha sobre a educação inclusiva.

FOLHA - Qual é o objetivo da Perkins Internacional no Brasil e em outros países?

STEVE PERREAULT - A Perkins Internacional dá suporte à educação de crianças com deficiência visual associada à outra deficiência e a surdocegos. Quando começamos nosso trabalho no Brasil, em 1990, crianças com esse tipo de deficiência praticamente não recebiam nenhuma assistência no campo da educação. Nossa filosofia defende o desenvolvimento de serviços de educação coerentes com as necessidades dessas crianças, por meio de consultorias, capacitação de professores, alinhamento com as políticas públicas e apoio à família dos alunos.

FOLHA - Qual é o valor do investimento da Perkins na inclusão dessas crianças no Brasil?

PERREAULT - Temos uma verba anual de US$ 30 mil para programas desenvolvidos no Brasil. Mas nos últimos três anos temos conseguido prover um adicional de US$ 20 mil para os programas no país, conduzidos pelos nossos parceiros locais, dentre os quais estão a Ahimsa (Associação Educacional para a Múltipla Deficiência), a Adefav (Associação para Deficientes da Áudio Visão), a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, no setor de baixa visão, e a Abrapascem (Associação Brasileira de Pais e Amigos dos Surdocegos e dos Deficientes Sensoriais).

FOLHA - O que o senhor poderia dizer sobre as políticas públicas brasileiras relacionadas à educação inclusiva?

PERREAULT - Há uma lei, aprovada pelo governo, que diz que todas as escolas públicas e privadas regulares devem aceitar alunos com deficiência. Eu não tenho tanto conhecimento sobre as políticas públicas para a educação inclusiva no Brasil, mas proibir a recusa é uma grande vitória, pois amplia o acesso à educação a todas as crianças com deficiência. Durante muitos anos, escolas e governos escolheram arbitrariamente quem iriam educar, e, ao negarem a educação a pessoas com deficiência, um grande potencial para o aprendizado foi desperdiçado. O passo seguinte é saber como podemos assegurar os apoios capazes de realmente incluir as crianças com base em suas necessidades individuais. É preciso profissionais capacitados para trabalhar junto aos professores das escolas públicas no estabelecimento de planos individualizados de aprendizagem. O Perkins Internacional tem trabalhado com seus parceiros no Brasil o detalhamento desses apoios à educação de crianças com deficiência múltipla para facilitar a inclusão nas escolas locais. Este documento está sendo distribuído a autoridades de educação especial.

FOLHA - Em sua opinião, considerando o relacionamento da Perkins com seus parceiros locais, quais são os principais gargalos da educação inclusiva no Brasil?

PERREAULT - Em vez de rotular questões como problemas, nós reconhecemos o trabalho que resta a ser feito. O Brasil é um país progressista e voltado para o movimento da educação inclusiva, mas enfrenta desafios que vem de suas grandes distâncias e da densidade populacional. A tarefa é trabalhar com profissionais e famílias para levar suas vozes à política de tomada de decisões e definir o que é verdadeiramente acesso à educação. A questão não é apenas passar pela porta da escola, mas como o aluno pode se conectar e tirar o melhor proveito dos recursos que a escola tem para oferecer. A adequação do transporte para o colégio, por exemplo, muitas vezes é a chave para o sucesso do aluno com deficiência. Muitos alunos que são cegos, outro exemplo, tem pouco acesso a máquinas braillers.

FOLHA - Como é a política de educação inclusiva no EUA?

PERREAULT - A lei de educação especial apoia a inclusão de crianças com deficiências múltiplas com base no seu plano educativo individual, que deve ser desenvolvido com os pais e com a aprovação dos pais. Isso é muito importante. O sistema de ensino nos Estados Unidos ainda oferece suporte a uma gama de opções de posicionamento, baseado nas necessidades individuais de cada criança.

FOLHA - Como escolas especiais e regulares podem trabalhar juntas para incluir os alunos com deficiência em um sistema de educação que realmente faça com que eles aprendam?

PERREAULT - Acredito que as políticas devem apoiar o planejamento individualizado para cada criança, em um sistema conjunto. Escolas regulares e especiais não precisam ter sistemas diferentes. Tanto profissionais da educação regular quanto os da especial precisam de capacitação para alcançar esses apoios.

FOLHA - Quais são as iniciativas prioritárias da Perkins no Brasil?

PERREAULT - O programa Perkins Internacional continuará a trabalhar com seus principais parceiros no Brasil para promover oportunidades de educação às crianças com múltipla deficiência e às surdocegas. Continuaremos a nos concentrar na formação de professores expandido e explorando o uso de novas tecnologias, e ampliando a voz das famílias na definição das prioridades de ensino. Também continuaremos a proporcionar a troca de experiências entre profissionais da América Latina. Anualmente, nosso programa de capacitação alcança mais de 10 mil professores e pais de crianças com deficiências na América Latina.

veja também