MENU

Para ministro, só agora o Brasil se mobiliza para a agenda da educação

Para ministro, só agora o Brasil se mobiliza para a agenda da educação

Atualizado: Sexta-feira, 30 Setembro de 2011 as 2:32

“O Brasil acordou muito tarde para a educação”, disse o ministro Fernando Haddad, nesta sexta-feira, 30, na abertura do debate A Educação e a Competitividade, promovido pela revista Exame , em São Paulo. “Há dez anos, talvez não houvesse uma mobilização social para aumentar o orçamento da educação”, disse. “Hoje, as classes empresarial e política acordaram para uma agenda que estava adormecida.”

Haddad lembrou que o país paga o preço por não ter feito nada pela educação pública, principalmente no pós-guerra. “Só agora atingimos a marca de 5,3% do PIB”, lembrou. “Nos últimos cinco anos, acrescentamos 1%.”

Nos últimos 20 anos, o Brasil construiu o mais robusto sistema de avaliação do mundo, de acordo com o ministro. “Chegamos ao luxo de ter 60 mil escolas urbanas e rurais avaliadas a cada dois anos e de divulgar esses dados, inclusive com microdados”, salientou. Ele reiterou que o Brasil, além disso, fixou metas de qualidade em cada escola. “Não é simples fazer isso em um país federativo como o Brasil”, afirmou. “Nos Estados Unidos, tentaram, mas não conseguiram, em razão da pressão federativa.”

O ministro disse ainda que as metas de qualidade estabelecidas começaram a ser cumpridas. “Em duas avaliações, as metas nacionais foram superadas; fizemos seis anos em quatro”, destacou. “Em 2000, o Brasil estava em último lugar no Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Alunos]; em dez anos, foi o país que mais avançou.”

A questão da falta de mão de obra qualificada no país também foi abordada pelo ministro. Segundo ele, a situação seria mais dramática caso o governo federal não tivesse ampliado o número de unidades de institutos federais de educação, ciência e tecnologia e de universidades federais. “Aumentamos a população acadêmica de três para seis milhões de estudantes”, disse.

Regulação — A evolução na qualidade do ensino foi alcançada mesmo diante da política de regulação das escolas particulares adotada pelo Ministério da Educação. “Muitas instituições estão sendo vendidas por pressão do sistema de avaliação”, lembrou. A situação é preocupante, admite Haddad. “Mas estamos no caminho certo; todos os organismos internacionais dão conta de que o Brasil foi o país que mais ampliou a escolaridade média do trabalhador, na faixa de 18 a 24 anos — um ano em cada cinco.”

O ministro reconhece que a transformação da educação pública brasileira não é tarefa simples. “Não é uma ação de governo ou de partido, mas de toda uma nação”, observou. “Se contarmos com o apoio de políticos e empresários, poderemos atingir as metas previstas.”

Assessoria de Comunicação Social

veja também