MENU

Piores escolas de SP estão em Paraisópolis

Piores escolas de SP estão em Paraisópolis

Atualizado: Quarta-feira, 14 Julho de 2010 as 9:43

Uma triste coincidência conecta duas das escolas com piores notas no ensino fundamental na cidade de São Paulo: ambas estão na favela de Paraisópolis, na zona sul. Dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) divulgados na semana passada mostram que a pior escola municipal do 1º ao 5º ano na capital paulista é a Paulo Freire; na rede estadual, o último lugar do 6º ao 9º ano ficou para o colégio Etelvina de Góes Marcucci.

Paraisópolis é a segunda maior favela da capital e tem quase 100 mil habitantes, segundo a associação de moradores.

A reportagem do R7 passou um dia na comunidade conversando com os moradores e descobriu que os centros educacionais têm problemas diferentes, mas estão inseridos num círculo vicioso.

As crianças que estudam na Paulo Freire estão tão carentes que algumas chamam os professores de pai ou mãe. O elevador da instituição sempre para de funcionar e causa problemas para os alunos cadeirantes. Há casos de estudantes de dez anos que ameaçam os docentes de morte. Um garoto com deficiência mental conta casos de violência cometidos pela mãe quando chega à aula todo machucado. Em compensação, a diretora da instituição, que assumiu neste ano, é muito elogiada por funcionários e pela comunidade.

No caso do colégio Etelvina de Góes, sobram críticas para a diretora. Os moradores reclamaram da dificuldade para marcar uma reunião com a coordenadora e criticaram seu comportamento. Além disso, o centro de ensino tem problemas de infraestrutura e partes destruídas pelos próprios alunos. Os banheiros estão em péssimas condições de higiene.

As dificuldades na primeira fase do fundamental se devem ao baixo nível de ensino infantil a que as crianças da favela têm acesso; sem formação adequada, os alunos de seis ou sete anos mal sabem reconhecer uma letra. E, por causa desse atraso, não conseguem acompanhar as exigências dos últimos anos do fundamental.

As baixas notas no Ideb são resultado da soma de todos esses fatores, que se repetem em inúmeras escolas brasileiras. Juntos, a falta de estrutura familiar, o atraso na alfabetização das crianças e a falta de controle sobre os adolescentes, aliados à ausência do poder público em determinadas regiões, levam à perda de comando sobre os estudantes, que, desestimulados, não veem nos estudos uma oportunidade de crescer. Eles esquecem – ou ignoram - que este é o caminho para sair da miséria.

Por Letícia Casado

veja também