MENU

Primeira fase da Fuvest é aplicada a 128 mil candidatos neste domingo

Primeira fase da Fuvest é aplicada a 128 mil candidatos neste domingo

Atualizado: Domingo, 22 Novembro de 2009 as 12

Neste domingo (22), começam as provas de um dos maiores vestibulares do país. A Fuvest aplica o exame da primeira fase a 128.155 candidatos, a partir das 13h. É recomendado se programar para chegar ao local de realização da prova às 12h. O vestibular é intolerante a qualquer minuto de atraso.  

É necessário levar o documento de identidade, caneta esferográfica (azul ou preta), lápis número 2 e borracha. É proibido levar qualquer tipo de equipamento eletrônico e de telecomunicações, como celulares, bips, computadores e calculadoras.

A duração do exame será de cinco horas e só será possível sair da sala três após o início do vestibular. Uma hora depois da divulgação oficial dos cadernos de provas, os estudantes poderão conferir no R7 a correção e os gabaritos.

O vestibular será aplicado em 112 endereços, 46 na capital, 13 nas cidades da Grande São Paulo, 50 no interior do Estado e três em cidades de outros estados brasileiros (Brasília, Curitiba e Belo Horizonte).

Os estudantes vão disputar por 10.812 vagas, sendo 10.622 delas na USP, cem na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e 90 na Academia de Polícia Militar do Barro Branco.

Como funciona a primeira fase

A prova conterá 90 questões de múltipla escolha sobre as disciplinas do ensino médio: português, matemática, história, física, geografia, química, biologia, inglês e terá algumas questões interdisciplinares. O manual do candidato não informa quantos itens de cada matéria são cobradas, mas em edições anteriores têm aparecido 16 perguntas sobre língua portuguesa, cinco sobre inglês e nove interdisciplinares, do tipo que une duas ou mais áreas, e dez sobre as demais áreas.

A nota da primeira fase será usada somente como forma de classificação dos candidatos para a segunda fase do vestibular e não será considerada na média final.

Em edições anteriores, a USP vinha considerando a nota do Enem para compor o resultado da primeira fase ? o exame podia aumentar os pontos em até 10%. Mas este ano, a universidade descartou o bônus em razão da mudança do cronograma do Enem, que foi cancelado em outubro após vazamento de provas. O exame foi remarcado para os dias 5 e 6 de dezembro.

Para não prejudicar os alunos da rede pública, a USP criou um bônus alternativo. Ele será dado somente para alunos de escola pública e será calculado com base no resultado da primeira fase. O novo benefício pode aumentar até 6% da pontuação. O acréscimo é proporcional ao número de pontos do candidato e vale para quem acertar 22 ou mais questões na prova.  

Convocação para a segunda fase

Serão chamados para a segunda etapa, os candidatos melhor classificados na prova da primeira fase, considerando até três vezes o número de vagas. Em um curso com 100 vagas, por exemplo, serão convocados os 300 estudantes com melhores notas. O candidato que tiver um número de acertos inferior a 22 questões, na prova de primeira fase, será eliminado do processo seletivo.

As listas de convocados e dos locais de exame para a segunda fase saem no dia 14 de dezembro. As provas da segunda etapa serão realizadas nos dias 3, 4 e 5 de janeiro.

Serão três provas com questões dissertativas: uma de português e redação; outra de biologia, física, geografia, história, inglês, matemática e química; e a terceira, com duas ou três disciplinas específicas, conforme a carreira escolhida.

USP em números

A universidade tem 75 anos de atividades de ensino, pesquisa e de cultura e extensão universitária. Já formou mais de 300 mil alunos, entre graduados e pós-graduados. É a universidade que mais forma doutores no mundo, em torno de 2.200 por ano.

Hoje, oferece 229 cursos de graduação e 228 de pós-graduação a cerca de 80.000 estudantes, nas 40 unidades de ensino e pesquisa, distribuídas nos mais de 76 mil quilômetros quadrados, em sete campi localizados ao longo do Estado de São Paulo.

As atividades desenvolvidas são de responsabilidade de cerca de 5.500 professores, 82% em dedicação integral à USP, 97% deles com o título mínimo de doutor, que contam com o apoio de, aproximadamente, 15.500 funcionários técnico-administrativos.   fonte: r7.com

veja também