MENU

Promotor cria forma de disciplinar estudantes baderneiros

Promotor cria forma de disciplinar estudantes baderneiros

Atualizado: Segunda-feira, 12 Abril de 2010 as 12

O que fazer quando a violência acontece dentro da escola?

Nas últimas semanas, histórias de agressões, ameaças, bombas, brigas de gangues e até tiros na sala de aula tomaram conta do noticiário!

Diante de tudo isso, um promotor da infância decidiu agir: criou uma forma eficiente de colocar alunos baderneiros na linha.

Cenas lamentáveis aconteceram numa escola do interior de Minas Gerais, em Ituiutaba.

Mas um professor no Rio de Janeiro já viu coisa pior.

"Um dia fui impaciente com um aluno, gritei com ele e aí tomei uma "banda", fui ao chão".

"Um dos rapazes ficou incomodado, se sentiu ofendido e me deu uma cabeçada e abriu o meu supercílio. Sangrou".

Parece que um tsunami está se anunciando.

Um professor foi morto, um professor de educação física. Isso aconteceu, morte!

Zona Norte do Rio, 29 de março. Depois de uma briga no pátio, a diretora de uma escola chama a mãe de um aluno de 12 anos para conversar. O menino agride a diretora, quebra as janelas da escola e a mãe dele ainda arranca a fiação da secretaria para impedir que a polícia seja chamada.

"O grau de letalidade, o grau de gravidade dessas violências, elas estão cada vez mais severas", disse Renato Alves, pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência/USP.

Em Uberaba, um rapaz de 16 anos levou uma facada na porta da escola, terça-feira passada, ao defender um primo que vinha sendo ameaçado pelos colegas.

Em Sobral, no Ceará, um adolescente levou um tiro dentro da sala de aula depois de discutir com um aluno.

Em Marília, três bombas explodiram numa escola em menos de uma semana. Um menino de 13 anos perdeu um dedo da mão.

"Esse sistema de escola está falido. Ou se muda ou a gente não vai ter mais porque educar essas crianças nesse modelo de escolarização. Porque onde você tem violência, não tem aprendizado", declarou Renato Alves.

"Nós tivemos alunos atirando dentro da escola", contou a professora Maria de Fátima Colman.

"A gente no recreio não dava para sair, tinha que ficar na sala por causa das gangues que a gente tinha medo de encrencar com a gente", disse Avelina Aparecida Cardoso, de 13 anos.

Cenas de violência já foram comuns numa escola em Campo Grande. Troca de tiros, um aluno foi morto diante dos colegas. Foi a gota d'água para que uma grande transformação acontecesse lá dentro.

"Não chegava a 10% a participação dos pais, hoje nas reuniões chega a 90, 100%", contou Valson Campos dos Anjos, diretor da escola.

Em abril do ano passado, a promotoria da infância e juventude de Campo Grande embarcou numa parceria que hoje conta com mais de 30 mil pais e oito mil professores do município.

A solução para a crise de autoridade parecia impossível, mas estava bem ali, no estatuto da criança e do adolescente.

"O estatuto não fala só de direitos, ele fala também de deveres e orientações. Nós estamos levando à escola a prestação de serviços em troca de maus atos. No lugar de registrar uma ocorrência policial contra esse jovem que não é infrator ele não é um delinquente, ele é um indisciplinado", explicou o promotor de Justiça Sérgio Fernando Harfouche.

Por e-mail ou telefone, professores se aconselham com o promotor. E os pais autorizam o castigo, assinando um termo disciplinar.

"Eu acho que tem mesmo que ser disciplinado os alunos. Ele vai lavar a quadra", disse Eroina Azevedo Barros, mãe de aluno.

"Todo mundo que eu costumo mandar para o diretor, quando volta, volta uma maravilha", contou o professor Jorge dos Santos.

Tata era aluna problema e mudou depois de cumprir medida disciplinar na cozinha.

"Eu vim lavar as cumbucas, ajudar a entregar as merendas", explicou Tata Souza de Carvalho, de 13 anos.

Tcharles também era da turma barra pesada.

"Tudo viciado em drogas, tudo andava armado, tudo aprontava, fazia coisa errada", disse Tcharles Souza de Carvalho, de 16 anos.

Teve que cumprir muita medida disciplinar...

"Limpei lá na frente, troquei a areia do parquinho, lavei os dois banheiros e varri o pátio", diz ele.

"Já nos três primeiros meses, nós temos registro de redução de 60% da violência escolar", conta o promotor.

Em um ano, pelo menos três mil alunos em 50 escolas já entraram na linha. Assinam um termo de compromisso com a promotoria da infância e juventude.

"Deu medo de ser preso. Vou contar até dez, 20 e 30. não vou brigar mais não", conta um aluno sem se identificar.

A escola onde tudo começou virou referência internacional em gestão educacional.

"Eu me encantei pela possibilidade que esse projeto traz do resgate da autoridade do professor, sem autoritarismo", diz a professora Ester Lorusso.

Vice-diretora de uma escola na periferia de São Paulo, Ester luta para implantar o projeto de Campo Grande onde trabalha o quanto antes.

"Hoje a gente já se depara com alunos dizendo que o sonho dele é ser bandido, infelizmente", conta Ester, vice-diretora de escola.

"Eu acredito que a consequência desse projeto construirá cidadãos de verdade", conclui.

veja também