MENU

Sem adesão de USP e Unicamp, Enem perde 17,5% dos inscritos em SP

Enem perde 17,5% dos inscritos em SP

Atualizado: Terça-feira, 10 Agosto de 2010 as 11:01

Após a USP e a Unicamp terem desistido de usar a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em seus processos seletivos deste ano, a participação dos alunos de São Paulo no exame caiu 17,5%. No ano passado, 1.003.474 estudantes de todo o Estado se inscreveram para a prova. Neste ano, foram 827.818. As duas universidades estaduais alegam que o Enem deste ano será realizado muito tarde, em 6 e 7 de novembro, o que impede que a nota no exame seja computada. As instituições afirmam que isso não significa que em 2011 elas não vão utilizar a nota do exame.

Em 2008, a prova foi marcada para outubro, mas, após a descoberta de que originais haviam vazado, acabou adiada para o início de janeiro, o que levou as duas instituições a desistir de computar a nota do Enem.

As universidades estaduais são responsáveis por cerca de 80% das vagas públicas oferecidas no Estado de São Paulo, que tem a menor presença do país de universidades federais, considerando o número de alunos matriculados no ensino médio (antigo segundo grau).

Unesp, a outra estadual paulista, usará o desempenho do aluno no Enem no cálculo da nota na segunda fase de seu processo seletivo.

Para Tadeu Terra, do sistema de ensino COC, a queda no número de inscritos no Estado neste ano não tira a importância do exame.

"A tendência é que, na hora em que as datas sejam estabilizadas, as universidades de São Paulo voltem a usar o Enem. Mas isso vai depender muito do que o próximo governo propuser para a prova", disse.

O Ministério da Educação disse ontem que não comentaria o número de inscritos no Enem por Estado. Ao anunciar a data deste ano, o ministério justificou que a realização da prova em outubro seria mais difícil, já que dois dos finais de semana no mês serão ocupados por eleições.

NO PAÍS, FOI RECORDE

Se a adesão em todo o país for considerada, o exame teve neste ano o terceiro recorde seguido no número de inscritos: 4,6 milhões.

No ano passado, foram 4,4 milhões, mas o adiamento da prova depois que ela vazou acabou causando abstenção também recorde: 39,5%.

veja também