MENU

Sobram 780 vagas em concurso para professor em São Paulo

Sobram 780 vagas em concurso para professor em São Paulo

Atualizado: Terça-feira, 11 Janeiro de 2011 as 1:08

Com 100 mil professores temporários na rede de ensino, o governo do estado de São Paulo não conseguiu preencher 780 vagas do último concurso público para a carreira. No sábado (8), um decreto do governador Geraldo Alckmin (PSDB) nomeou 9.304 novos docentes - eram 10.083 vagas.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Educação, sobraram vagas porque muitos dos melhores colocados na primeira fase do concurso desistiram de participar dos quatro meses de curso obrigatório ou não foram aprovados na avaliação ao final das aulas. "Os candidatos que deixaram de participar do curso de formação ou não foram aprovados na prova são considerados reprovados no concurso", explicou a secretaria em nota.

Foi a primeira vez que os aprovados em concurso tiveram de passar pelo chamado Curso de Formação Específica antes de assumir o cargo. "Do ponto de vista pedagógico, o curso foi bem interessante. Para mim, que venho do Paraná, também foi bom para ter um primeiro contato com a rede, mas colegas que já atuavam no Estado reclamaram um pouco", contou André Furtado Lima, que será professor de sociologia em Piracicaba.

Os professores nomeados começam a dar aulas para ensino médio e segunda etapa do ensino fundamental (do 6º ao 9º anos) já em fevereiro, no início do ano letivo. As vagas remanescentes para docente efetivo só poderão ser preenchidas se a secretaria abrir uma nova turma do curso preparatório. Não há previsão de data para que isso aconteça.

Educadores creem que a falta de vínculo empregatício fragiliza a relação do profissional com a escola. Há docentes que atuam no ensino estadual há mais de 20 anos como temporários.

Duas leis estaduais deram estabilidade a professores temporários que estavam na rede antes de 2007. No entanto, eles tiveram de prestar uma prova classificatória no ano passado para conseguir dar aulas. Os que não alcançaram boas notas tiveram direito a apenas 12 horas de trabalho semanais em tarefas burocráticas, fora da sala de aula. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

veja também