MENU

Universidade do Rio concede licença a servidoras grávidas para evitar gripe suína

Universidade do Rio concede licença a servidoras grávidas para evitar gripe suína

Atualizado: Segunda-feira, 10 Agosto de 2009 as 12

O reitor da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Ricardo Vieiralves, anunciou nesta sexta-feira, 7 de agosto, que concederá licença remunerada até o final de agosto a todas as funcionárias grávidas da instituição. O benefício visa proteger as gestantes de serem contaminadas pelo vírus da gripe suína - a gripe A (H1N1). Até esta sexta-feira, 28 pacientes com gripe suína morreram no Rio.

"Nós vivemos em emergência na área da saúde pública. Essa decisão tem o objetivo de proteger as grávidas que fazem parte do grupo de risco. Elas não são obrigadas a tirar essa licença, mas não espero ato de heroísmo de nenhuma delas", disse Vieiralves.

De acordo com o reitor, as gestantes que quiserem tirar a licença remunerada devem levar ao departamento de saúde da universidade o atestado médico para comprovar a gravidez. A licença é válida às servidoras e prestadoras de serviço temporário.

Precaução

Na última quarta, o secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, anunciou que nos próximos dias todas as grávidas, que apresentarem sintomas de gripe suína serão submetidas a exames para identificar a presença do vírus causador da doença. Antes disso, apenas as pacientes com casos graves passavam por exames para detectar a gripe.

O objetivo da medida é prevenir mortes entre gestantes em consequência da doença. Das 19 pessoas que morreram no Estado em decorrência da gripe suína, ao menos cinco estavam grávidas.

Sintomas

A gripe suína é uma doença respiratória causada pelo vírus influenza A, chamado de H1N1. Ele é transmitido de pessoa para pessoa e tem sintomas semelhantes aos da gripe comum, com febre superior a 38ºC, tosse, dor de cabeça intensa, dores musculares e nas articulações, irritação dos olhos e fluxo nasal.

Para diagnosticar a infecção, uma amostra respiratória precisa ser coletada nos quatro ou cinco primeiros dias da doença, quando a pessoa infectada espalha vírus, e examinadas em laboratório.

Os antigripais Tamiflu e Relenza, já utilizados contra a gripe aviária, são eficazes contra o vírus H1N1, segundo testes laboratoriais, e parecem ter dado resultado prático, de acordo com o CDC (Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos).

veja também