MENU

Universidades federais mineiras estudam proposta de consórcio

Universidades federais mineiras estudam proposta de consórcio

Atualizado: Quinta-feira, 22 Julho de 2010 as 7:59

Um consórcio entre as universidade federais mineiras foi debatido na última segunda-feira (19), em Brasília. Na reunião com o ministro da educação, Fernando Haddad, estavam os reitores das sete principais instituições de ensino superior do Estado de Minas Gerais e dirigentes da Sesu (Secretaria de Educação Superior), do MEC (Ministério da Educação) e da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior).

O projeto, ''ainda muito embrionário'', segundo Helvécio Luiz Reis, reitor o reitor da Universidade Federal de São João del-Rei, tem como objetivo fortalecer os nomes das universidades no ranking internacional de instituições superiores.

A idéia é criar um único nome para o conjunto das universidades federais de Alfenas, Itajubá, Juiz de Fora, Lavras, São João Del-Rei, Ouro Preto e Viçosa, ''como um consórcio intermunicipal'', explica o reitor. Apesar de juntas, a autonomia de cada uma delas deve ser respeitada, assim como suas competências.

- A idéia, diz Reis,  vem de fora, da junção de universidades estrangeiras que firmaram parceria semelhante e hoje ocupam um lugar de destaque no ranking.

- Dentre as 500 melhores, há apenas três universidades brasileiras. A idéia do consórcio é fazer com que as universidades mineiras mantenham a sua autonomia, mas façam parte de uma  instituição maior, com um nome de peso.

Na proposta, ainda em debate, seria formulado um único PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional) em consonância com o PDI de cada instituição.

Juntas, as universidades federais possuem campi em 17 municípios do sudoeste de Minas e atendem pólos de educação à distância em 55 cidades. São 3,5 mil professores quatro mil técnicos administrativos, 41 mil alunos de graduação e 5,3 mil de pós-graduação.

Uma reunião para ''colocar as idéias no papel'', segundo Reis, está marcada para o dia 3 de agosto com a presença de todos os reitores e a secretaria superior do MEC.

- Vamos produzir um documento que seja agregador e que garanta as diferenças de cada uma das instituições.

Segundo a nota oficial do ministério, a localização geográfica e a complementaridade das ações das instituições são indicadores do alto potencial de criação de um consórcio que permitiria, além, da integração acadêmica nos campos de ensino, pesquisa e extensão, formas mais eficientes e eficazes para a utilização de recursos, parcerias para o desenvolvimento e troca de tecnologias, atuação em áreas estratégicas e, ainda, a discussão de soluções para problemas sociais da região, do país e do mundo.

veja também